15/1/21
 
 
José Cabrita Saraiva 08/09/2020
José Cabrita Saraiva
Opiniao

jose.c.saraiva@ionline.pt

Professores, pais e alunos à beira de um ataque de nervos

E não será difícil prever que a coisa se tornará pior assim que começarem a surgir os casos suspeitos.
No meio das novas regras e preocupações, os professores terão cabeça para dar a matéria? E os alunos estarão com disponibilidade para aprender?

Algumas crianças viveram ontem o seu primeiro dia de um novo ano letivo cheio de novidades. As escolas estão a levar a sério – ou até mesmo com algum exagero – os riscos do contágio, pelo que as regras são apertadas. O aumento do número de infeções pelo novo coronavírus assim o exige e há que tentar a todo o custo evitar a segunda vaga de covid-19, que parece estar iminente ou mesmo a grassar na Europa.

Para já, o que se antevê é que, com tantas regras e proibições, os recintos escolares se transformem cada um num pequeno pandemónio, com professores e alunos a terem de lidar com mais um problema para o qual não estavam preparados. E não será difícil prever que a coisa se tornará pior assim que começarem a surgir os casos suspeitos.
No meio das novas regras e preocupações, os professores terão cabeça para dar a matéria? E os alunos estarão com disponibilidade para aprender?

Mas há mais: mesmo todas as medidas e cuidados propostos pela DGSacabarão provavelmente por revelar-se insuficientes. Com a chegada do frio e da chuva, e os alunos metidos em espaços fechados, dificilmente poderia ser de outra forma. Para impedir novos surtos seriam necessárias outras instalações e outros meios humanos que não temos. 

Leia o artigo completo na edição impressa do jornal i. Agora também pode receber o jornal em casa ou subscrever a nossa assinatura digital.


Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×