23/9/20
 
 
Covid-19. Como os países estão a gerir o ensino em tempo de pandemia

Covid-19. Como os países estão a gerir o ensino em tempo de pandemia

Twitter Rita Pereira Carvalho 13/08/2020 08:31

Há países na Europa onde as escolas já abriram e outros que se preparam para o fazer já em setembro, como Inglaterra. Mas nem sempre os alunos e os professores têm entendido as regras, achando-as permissivas. Em Itália há escolas que estão já a serrar os seus bancos antigos para o caso de os individuais que encomendaram não chegarem a tempo.

Tal como Portugal, muitos países estão ainda a preparar o regresso às aulas. Noutros, as portas das escolas já se abriram, mas o aumento de casos positivos obrigou a fechá-las novamente. Depois de meses de aulas à distância, a Alemanha foi o primeiro país da Europa a voltar ao ensino presencial, tendo optado por um regresso faseado. A região norte do país foi a primeira a reabrir as portas, logo no início de agosto – primeiro Mecklemburgo-Pomerânia Ocidental e depois Hamburgo – com medidas de distanciamento físico que passam pela divisão dos alunos por faixas etárias, quer nos intervalos, quer nos refeitórios, evitando cruzamentos entre os mais novos e os mais velhos. Assim, em caso de teste positivo, não será necessário encerrar a escola inteira: apenas uma turma ou um grupo será mandado de novo para casa em quarentena. Já as máscaras são obrigatórias apenas nos corredores, e não dentro das salas de aula.

A realidade foi, no entanto, difícil de controlar e, uma semana após o regresso às aulas, já duas escolas foram encerradas no norte daquele país. Um aluno da escola primária de Graal-Müritz, em Rostock, testou positivo e os colegas voltaram ao ensino à distância. E numa escola secundária, em Ludwigslust, uma professora foi diagnosticada com covid-19 e as autoridades de saúde alemãs decidiram então reverter o processo, e, até esta semana todos os alunos, professores e funcionários ficaram em casa. A docente em questão não chegou sequer a dar aulas, mas todos os seus colegas, funcionários e alunos estão a ser testados. 

Mas nem todos os estados federais optam pelo encerramento integral dos estabelecimentos de ensino. A medida preventiva de separar os alunos por faixas etárias permitiu que em Hamburgo, por exemplo, depois de detetadas infeções numa escola básica e numa escola secundária, fossem colocadas em quarentena apenas as turmas relacionadas com os alunos que testaram positivo para a covid-19.

Leia o artigo completo na edição impressa do jornal i. Agora também pode receber o jornal em casa ou subscrever a nossa assinatura digital.

Ler Mais

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×