1/10/20
 
 
Champions. Prova aterra em Lisboa com cinco jogadores portugueses

Champions. Prova aterra em Lisboa com cinco jogadores portugueses

AFP Laura Ramires 12/08/2020 13:38

Cristiano Ronaldo é o grande ausente da final a 8 da Liga dos Campeões, que hoje arranca com o duelo entre Atalanta e PSG, no estádio da Luz. Final disputa-se a 23 de agosto.

A partir desta quarta-feira e durante os próximos 12 dias, Lisboa será palco do futebol mundial, com a receção da fase final da Liga dos Campeões, prova que se transferiu da Turquia para a capital portuguesa depois das alterações forçadas no calendário (bem como no formato da prova) na sequência da evolução global do coronavírus. A mudança trouxe agora a possibilidade de cinco jogadores portugueses conquistarem a principal prova da UEFA em casa, com o Manchester City a colocar-se como o clube com mais representação lusa, graças à dupla Bernardo Silva-João Cancelo. Os citizens eliminaram nos oitavos-de-final da prova o Real Madrid, após as vitórias por 2-1, primeiro no Santiago Bernabéu e na última semana no Etihad (4-2 no conjunto das duas mãos). A alinhar pelo City desde o verão de 2017, Bernardo Silva conta já com inúmeros troféus ao serviço do emblema inglês, com quem já fez história ao alcançar o inédito bicampeonato em Inglaterra, além da época de ouro de 2018/2019, em que o clube de Pep Guardiola venceu todas as competições internas. Vencer a Champions seria assim a cereja no topo do bolo para a equipa que este ano passou o estatuto de campeão da Premier League ao Liverpool. De sublinhar que os reds de Jurgen Klopp ainda são os atuais campeões da prova milionária mas estão cada vez mais perto de conhecer o seu sucessor depois de terem sido eliminados pelo Atlético de Madrid de João Félix, nos oitavos. Ainda pelo City alinha João Cancelo, que rumou a Manchester no último verão após deixar a Juventus de Cristiano Ronaldo. Ronaldo é, de resto, o grande ausente desta final a 8 da Champions 2020/21, falhando a viagem para Portugal depois da equipa de Turim ter sido derrotada pelo Lyon. Aliás, é no emblema francês que pode ser encontrado mais um dos cinco jogadores portugueses ainda em prova, o guarda-redes Anthony Lopes. O guardião de 29 anos foi um dos responsáveis pela eliminação da Vecchia Signora: apesar de CR7 ter apontado dois golos no jogo da segunda mão (e os únicos da eneacampeã italiana nesta eliminatória), Lopes destacou-se naquela partida sobretudo depois de uma grande defesa após cobrança de livre do compatriota, negando assim um golo que poderia ter traçado um destino diferente para as duas equipas.

Porém, uma coisa é já certa: os quartos vão ditar o afastamento de pelo menos um português, uma vez que o Lyon vai defrontar o Man. City no jogo que encerra esta fase da prova, no próximo sábado (15 de agosto), no Estádio José Alvalade.

Luz recebe final e final antecipada Hoje, o Estádio da Luz recebe um duelo sem portugueses, entre os italianos da Atalanta e o campeão da Liga francesa PSG. No dia seguinte, quinta-feira, será a vez do Estádio José Alvalade abrir portas para receber o segundo encontro dos quartos, desta feita entre os alemães do RB Leipzig e o At. Madrid. Já na sexta-feira irá realizar-se o jogo grande desta fase, com o Barcelona e o Bayern Munique a protagonizarem aquela que poderá ser uma espécie de final antecipada. É no conjunto catalão que está presente o quinto jogador português, o defesa Nélson Semedo. Depois de ter terminado a Liga espanhola no segundo lugar, perdendo para o Real de Zidane, os blaugrana de Messi esperam conseguir compensar na prova dos milhões, um troféu que Camp Nou não vê há cinco anos (desde 2014/15, edição conquistada após bater por 3-1 a Juventus, numa época marcada pelo trio MSN – Messi, Suárez e Neymar –, no Barça).

Recorde-se que devido à pandemia de covid-19, as eliminatórias vão ser a partir desta fase disputadas num só jogo, com a final agendada já para o próximo dia 23, também no recinto do Benfica.

Seis anos depois de ver o Real Madrid conquistar a décima Champions, após bater o rival da cidade Atlético, o Estádio da Luz volta a receber o jogo derradeiro da prova. A Liga dos Campeões foi o primeiro grande evento desportivo a rumar para Portugal devido ao novo coronavírus: a Fórmula 1 seguiu o exemplo, e anunciou entretanto uma etapa do Mundial 2020 no Autódromo Internacional do Algarve (AIA), em Portimão, no dia 25 de outubro. Com o circuito algarvio a prometer reunir todas as condições para acolher a prova que conta com os melhores automobilistas do mundo, também a MotoGP decidiu entretanto confirmar a etapa derradeira do Campeonato do Mundo naquela pista.

MotoGP regressa 8 anos depois Isto significa que também neste campo haverá um português em ação, neste caso o piloto Miguel Oliveira (KTM). Trata-se do regresso da categoria rainha do motociclismo ao país, oito anos depois de o Estoril ter sido palco do último Grande Prémio Portugal. Recorde-se que o almadense encontra-se a cumprir a segunda temporada no campeonato do mundo de velocidade, e alcançou, no último fim de semana, na República Checa, o melhor resultado de sempre na categoria (6.ª posição). Antes desta terceira etapa, Miguel Oliveira já tinha entrado com o pé direito na prova, com o 8.º lugar em Jerez, na ronda inaugural – na altura igualou o seu melhor resultado até à data. “Estou nas nuvens. Corri lá dois anos, no Campeonato do Mundo, um ano em 125cc e outro em Moto3, e é um sítio super especial, ainda para mais sendo o único português a correr no Mundial, agora no MotoGP. É um sentimento especial voltar e correr no meu país. Estou ansioso por esse momento, ainda por cima sendo a última corrida do Mundial, é inacreditável porque podemos ir e dar tudo em frente aos nossos fãs. Esperemos que as coisas continuem a correr bem, que continuemos a preparar com força a temporada e chegar à última corrida para conseguir um bom resultado”, afirmou o piloto natural de Almada.

De notar que as duas provas em Portimão já vão contar com espetadores nas bancadas, ao contrário do que vai acontecer na Liga dos Campeões. Após várias reuniões, ficou decidido que os jogos não vão contar com adeptos nas bancadas como medida de segurança para conter a propagação da covid-19. Assim, durante as próximas duas semanas, a segurança será reforçada na capital portuguesa [ver pág. 8] principalmente nas imediações dos estádios, nos hotéis e nos locais de treino, informou ontem a Polícia de Segurança Pública (PSP), revelando alguns detalhes da megaoperação policial preparada para acolher a prova dos milhões.

Ler Mais

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×