25/11/20
 
 
Ciclovias. Mudanças de última hora baralham utilizadores

Ciclovias. Mudanças de última hora baralham utilizadores

Rita Pereira Carvalho 03/08/2020 09:30

A Câmara Municipal de Lisboa fez uma ciclovia na Avenida Cidade de Bissau, na freguesia dos Olivais, e agora alterou-a. Não há sinalização nem proteção entre a ciclovia e a estrada onde circulam os automóveis. E os utilizadores usam a faixa antiga, que agora é para os carros. 

As ciclovias em Lisboa continuam a dividir opiniões, mas as faixas exclusivas para a circulação de bicicletas estão agora a ser alteradas. Onde existia ciclovia, agora já não há, e os utilizadores ficam sem saber onde podem ou não circular em segurança. O caso é específico e passa-se na Avenida Cidade de Bissau, na freguesia dos Olivais. Esta avenida fazia parte da lista de intervenções da Câmara Municipal de Lisboa e, até à semana passada, existiam duas faixas de ciclovia, uma em cada sentido, e as bicicletas circulavam ao lado e no mesmo sentido dos carros. 

Na semana passada, os dois sentidos das ciclovias passaram a funcionar de um só lado da estrada, como se pode ver na fotografia. No entanto, a mudança ainda não é clara para as pessoas que circulam nestas faixas exclusivas, uma vez que as alterações não estão sinalizadas. Neste momento, a ciclovia tem apenas as marcações no alcatrão, não tendo sido ainda colocados os pinos de proteção que dividem a estrada onde circulam os automóveis e as ciclovias, nem a devida sinalética que indica que as bicicletas devem circular por ali. E os utilizadores, como também se vê na fotografia, utilizam ainda a ciclovia antiga, apesar de terem sido apagadas as marcações do alcatrão. 

Estas mudanças na ciclovia da Avenida Cidade de Bissau surgem depois de o semanário SOL ter noticiado várias queixas sobre o perigo de algumas ciclovias. As queixas eram também dirigidas às ciclovias da Avenida Cidade de Luanda e da Avenida de Pádua, que funcionam nos mesmos moldes da avenida agora alterada: uma ciclovia em cada lado. No entanto, nestas avenidas não foi feita qualquer alteração, mantendo-se a circulação a acompanhar o sentido dos carros. As situações de perigo nascem também da falta de hábito e da estranheza de ter uma ciclovia naquelas avenidas. Por exemplo, os carros continuam a estacionar junto aos passeios, em cima das ciclovias. 

Leia o artigo completo na edição impressa do jornal i. Agora também pode receber o jornal em casa ou subscrever a nossa assinatura digital.

 

Ler Mais


Especiais

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×