25/9/20
 
 
Comporta. Organizador de festas de sexo diz que cumpriu a lei e está já a investir numa equipa de médicos

Comporta. Organizador de festas de sexo diz que cumpriu a lei e está já a investir numa equipa de médicos

João Porfírio Pedro Almeida 29/07/2020 18:20

Ricardo Champalimaud, que organizou no sábado uma festa de sexo com dezenas de personalidades, garantiu ao i que os presentes fizeram teste à covid-19 e estiveram em grupos. GNR montou operação, mas nada detetou.

Juntou 62 pessoas na Herdade da Comporta, em Alcácer do Sal, no sábado à noite para uma festa de sexo, mas a organização garante que não foram infringidas as regras determinadas pelas autoridades de saúde. A seleta e luxuosa festa da Purília – comunidade privada que procura satisfazer os amantes e entusiastas do sexo – “cumpriu todas as normas” no que respeita à pandemia de covid-19, garantiu ontem ao i o organizador do evento, Ricardo Champalimaud, sublinhando que todos os presentes foram divididos por quatro espaços diferenciados e que em nenhum desses locais estiveram mais do que 20 pessoas, respeitando as orientações da Direção-Geral da Saúde (DGS).

“Foram criados ambientes seguros e de grande confiança para os nossos convidados. Em cada espaço não havia mais de 15 a 20 pessoas. Nas duas últimas semanas fizemos pequenas alterações de forma a cumprir de forma integral todas as exigências que este momento atípico e singular a nível mundial nos exige. Reunimos muitos convidados, algumas celebridades, quer nacionais quer internacionais, mas sempre foi nossa intenção respeitar todas as regras”, disse, salientando ainda que todos aqueles que marcaram presença realizaram o teste à covid-19 nas 72 horas que antecederam o evento.

“Desde sempre tivemos a preocupação com as questões de saúde pública. Mesmo antes desta fase, existiu sempre a necessidade da realização de alguns ‘testes’, nomeadamente no que diz respeito às Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST)”, atirou Ricardo Champalimaud, defendendo-se do que foi dito pela DGS, que considerou ilegal a festa na Comporta por pôr em causa a saúde pública – a comunidade já havia organizado outro evento com dezenas de pessoas a 26 de junho, numa propriedade de luxo em Cascais, também criticada pela DGS.

No entanto, o organizador garantiu que todas as alterações feitas para a festa de sexo na Comporta surgiram na sequência das exigências das autoridades locais – a Purília pagou os testes à covid-19 de todos os convidados e o processo de admissão dos membros da comunidade está a ser devidamente alterado.

“Será necessário, durante o processo de admissão, ter a garantia de que está tudo bem a nível de saúde. Por isso, estamos a criar um corpo clínico que dará seguimento a estas mesmas questões. Posteriormente será necessário o mesmo processo em data anterior a cada evento, de forma a garantir toda a segurança em cada uma das festas ou experiências privadas”, explicou o organizador, avançando que “para tudo isto ser possível foi feito um investimento de largas centenas de milhares de euros”.

 

GNR montou operação mas nada detetou 

Os ajuntamentos de mais de 20 pessoas são proibidos, devido à covid-19, e a GNR, que se encontrava atenta à realização desta festa, esteve no terreno e montou uma operação, mas “daí não resultou nada suspeito”.

“A operação foi montada tanto no âmbito do controlo de acessos rodoviários à Comporta como de recolha de informações, mas nada indiciou a existência de algum evento que violasse as normas. No entanto, se novas informações ainda vierem a surgir a este propósito, a GNR procederá em conformidade com a lei, elaborando, se for caso disso, os respetivos autos”, garantiu fonte da GNR ao i.

De acordo com o Observador, a organização garantiu, porém, que tinha uma autorização informal das autoridades locais – nomeadamente da GNR – e que ninguém iria interromper a festa. Relativamente a isso, Ricardo Champalimaud acrescentou ao i que, já no que respeita a autorizações oficiais, “não existiu nada para algo que poderia estar fora do que a lei refere para este momento”. E reforçou: “Cumprimos tudo aquilo que a lei diz referente a eventos, nomeadamente em espaços privados, como foi o caso”, rematou.

 

O que são estes eventos

As festas de sexo da Purília são organizadas há cerca de dez anos. São eventos exclusivos para entusiastas do sexo e, por isso, sabe-se muito pouco sobre o que acontece verdadeiramente durante as festas particulares. Ao i, o organizador, Ricardo Champalimaud, explicou que estes pormenores são “privados” e que, por isso, “não é possível divulgar pormenores”.

Certo é que todos os participantes estão impedidos de recolher imagens no local da festa, pelo que não é permitida a utilização do telemóvel durante o evento. “A privacidade é um aspeto muito importante e que deve ser respeitado e protegido em todos os momentos”, explicou a Purília.

E se a covid-19 não tivesse chegado a Portugal, haveria um cocktail Moët & Chandon de boas-vindas no evento, seguindo-se o jantar. E só depois a festa começava, mas apenas um número reduzido de convidados poderia passar a noite inteira na propriedade, mediante o aluguer de uma suíte privada. O preço por casal definido pode ir até aos três mil euros.

Já o dress code tem de ser requintado: os homens devem apresentar-se com um fato escuro, com ou sem gravata, e as mulheres devem levar um vestido de noite – ou curto. Quem quiser proteger o anonimato ao longo da festa, poderá usar uma máscara veneziana. Peças à base de peles ou de látex não são aceites à entrada.

 

Ler Mais

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×