11/8/20
 
 
Itália. Siiim! O número 7 continua como trunfo da equipa - e bater recordes

Itália. Siiim! O número 7 continua como trunfo da equipa - e bater recordes

Laura Ramires 22/07/2020 23:09

Cristiano Ronaldo voltou a apresentar-se como sempre nos habituou: decisivo. No último jogo bisou, subiu ao topo dos melhor marcadores da Liga italiana e tornou-se o primeiro jogador a marcar pelo menos 50 golos em Itália, Espanha e Inglaterra. Esta época, ainda espera ganhar o estatuto de goleador máximo da Serie A.

 

Aos 35 anos, Cristiano Ronaldo continua a bater recordes. Ointernacional português voltou a ser o trunfo da Juventus, desta vez na vitória (2-1) sobre a Lazio, num jogo decisivo que deixa a equipa de Turim com o título na Liga italiana pré-reservado. Foram precisos apenas três minutos para o avançado luso bisar, aos 51 e 54 minutos, com o primeiro golo a ser apontado de grande penalidade. Com estes dois golos, Cristiano Ronaldo passou a somar 30 na Serie A, subindo ao topo da lista dos melhores marcadores, juntamente com Ciro Immobile, o autor do único golo da formação romana, que reduziu a diferença no marcador, também da marca do castigo máximo (83’).
Com quatro jornadas para o final da prova transalpina, a Juve lidera com 80 pontos, apresentando uma vantagem de 8 para o segundo classificado Inter (72).  
Com o nono título consecutivo praticamente assegurado, a equipa de Maurizio Sarri tem ainda pela frente encontros com Udinese, Sampdoria, Cagliari e Roma (na 38.ª e última jornada da Liga). 
Estas serão, aliás, as quatro oportunidades que CR7 terá para apontar mais quatro golos, distância a que está atualmente do goleador polaco Robert Lewandowski (Bayern Munique), que lidera a corrida pela Bota de Ouro. O avançado já terminou a época, apontando 34 golos no mesmo número de encontros na Liga alemã, assumindo por enquanto a liderança deste ranking, com 64 pontos. 

 

CR7 e o máximo goleador da Serie A

O avançado luso considerou que os recordes surgem “de forma natural” e reconheceu que gostava de bater os 36 golos de Gonzalo Higuain, seu atual companheiro de equipa, como o máximo goleador da Serie A numa época. “Seria bonito bater o recorde dos 36 golos, mas o importante é ganhar. Vou tentar, mas o mais importante é ganhar a liga”, frisou.
Ainda no plano individual, com o bis frente à Lazio, Ronaldo tornou-se o primeiro jogador a marcar pelo menos 50 golos na Serie A (Itália), LaLiga (Espanha) e Premier League (Inglaterra). Porém, também este novo feito foi desvalorizado pelo capitão da seleção portuguesa, que destacou mais uma vez o coletivo como a principal prioridade. “Os recordes são sempre importantes, acostumei as pessoas a bater recordes em várias competições. Mas o mais importante é a vitória da equipa. Somos uma equipa fenomenal e voltámos a demonstrá-lo hoje [segunda-feira], ainda que queiramos sempre melhorar e elevar a fasquia. O capocannoniere [melhor marcador da Serie A] é um processo natural que chega como consequência de marcar golos para vencer jogos pela equipa”, disse, em declarações à Sky Sport.
De resto, CR7 já ultrapassou em seis golos o registo alcançado na sua época de estreia ao serviço da Juventus: em 2018/19 apontou 28 golos em 43 jogos (21 dos quais na Liga italiana). Neste momento, soma já 34 golos em 42 encontros. Além das quatro rondas que faltam cumprir na Serie A, Cristiano Ronaldo ainda vai dar cartas na Champions, prova em que o emblema de Turim vai precisar mais uma vez do trunfo número 7. Neste momento, a Vecchia Signora está em desvantagem nos oitavos-de-final da prova, depois da derrota por 1-0 ante o Lyon, em França, na primeira mão dos oitavos-de-final. A Juve é uma das equipas que ainda luta por uma vaga na fase final inédita da prova milionária, que vai decorrer em Lisboa entre 12 e 23 de agosto. 

 

Um recorde impossível, para já

Com várias metas ainda por cumprir nesta época – tanto no plano coletivo como no individual –, há um objetivo, todavia, que não será possível de alcançar, pelo menos este ano. A France Football já confirmou que não irá atribuir a Bola de Ouro em 2020 por causa da pandemia de covid-19. A revista francesa responsável pelo prémio explicou que não existem condições para o fazer, uma vez que o surto de coronavírus interrompeu e interferiu com a época futebolística. O argentino Lionel Messi (FC Barcelona), com seis troféus – mais um do que Cristiano Ronaldo – é o jogador que mais vezes recebeu o galardão que distingue anualmente o melhor futebolista do mundo. Pela primeira vez desde 1956 não vai ficar conhecido o vencedor, e a oficialização desta decisão mereceu mesmo uma reação por parte do Barcelona. “Nós percebemos. Além disso, toda a gente sabe quem é o melhor”, escreveu o clube catalão nas redes, com uma fotografia do internacional argentino na última gala realizada (2019), onde foi coroado pela sexta vez.
Recorde-se que Messi voltou a estar nos últimos dias no centro da polémica depois de ter feito críticas à exibição da própria equipa. A Liga espanhola ficou concluída no último domingo, com o Real Madrid já como o novo campeão. Os blaugrana, até então bicampeões da prova vizinha, terminaram no segundo posto, a cinco pontos dos merengues.

Ler Mais

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×