3/7/20
 
 
Ficth baixa rating do Montepio por deterioração de capital

Ficth baixa rating do Montepio por deterioração de capital

Jornal i 30/06/2020 20:29

A agência de 'rating' afirma ainda que o Montepio tem uma capacidade limitada de geração de capital orgânico, dado o alto nível de ativos problemáticos e a sua baixa rentabilidade operacional.

A Fitch baixou o 'rating' de risco de longo prazo do banco Montepio face à deterioração de capital e às fracas perspetivas de negócio. 

Assim, decidiu baixar o 'rating' de risco de longo prazo do banco Montepio de 'B+' para 'B-' ( IDR - Issuer Default Rating na expressão técnica em inglês) e o 'rating' de viabilidade de 'b+' para 'b-'.

Segundo a Fitch, o rácio de capital do Montepio sofreu uma deterioração no primeiro trimestre, mas o banco permaneceu dentro dos requisitos temporários e, dada a tolerância regulatória devido à crise da covid-19, não espera qualquer intervenção.

Além disso, refere, o banco está a implementar medidas de reforço de capital, que acredita que "podem ajudar a estabilizar ou melhorar" os rácios até ao final do ano.

Contudo, os rácios de capital são baixos em comparação com os pares nacionais e internacionais, isto quando o pior em termos de impacto negativo da crise nos perfis financeiros dos bancos ainda está por vir, sendo os rácios de capital do Montepio muito vulneráveis a choques moderados na qualidade dos ativos devido a ter elevados ativos problemáticos.

A agência de 'rating' afirma ainda que o Montepio tem uma capacidade limitada de geração de capital orgânico, dado o alto nível de ativos problemáticos e a sua baixa rentabilidade operacional.

Para já, considera, o Montepio tem opções estratégicas muito limitadas e precisa de dar prioridade a medidas de correção de capital e a uma profunda reestruturação da sua rede comercial para melhorar a eficiência.

O facto de o modelo de negócios do banco se concentrar essencialmente nas atividades bancárias de retalho, sobretudo crédito à habitação e empréstimos a Pequenas e Médias Empresas (PME), torna-o vulnerável às prolongadas baixas taxas de juros e à forte concorrência doméstica, acrescentou.

A Fitch recorda o recente anúncio do banco de reforço da digitalização e redução de 31 balcões em Portugal (10% da rede comercial), considerando que mais medidas se seguirão para diminuir custos e apoiar a rentabilidade operacional.

Considera ainda que a governação do banco e do seu acionista, a Associação Mutualista Montepio Geral, leva a riscos significativos para os credores do banco.

A Fitch recorda o elevado nível de crédito malparado do banco, de 12,1% no fim de março, e estima que o índice de ativos problemáticos seja de 18% na mesma data se for incluído imobiliário.

Além disso, a perspetiva é de que a qualidade dos ativos se deteriore este ano e no próximo devido à crise, sobretudo pela elevada exposição a setores mais vulneráveis (como restaurantes, hotéis, turismo, construção, transportes).

Ler Mais

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×