21/9/20
 
 
24 de junho de 1954. O Homem-Peixe e as suas 60 braçadas por minuto

24 de junho de 1954. O Homem-Peixe e as suas 60 braçadas por minuto

Afonso de Melo 23/06/2020 08:42

Baptista Pereira desafiava todos os mares. Nessa manhã atirou-se ao Atlântico no cais de Peniche. Quatro horas, 38 minutos e 11 segundos mais tarde saía das águas nas Berlengas com o orgulho inabalável de um tritão. Quebrara por muito a previsão inicial de seis horas para o percurso.

Baptista Pereira, o homem de Alhandra, gostava de se levantar cedo. Nesse dia de junho de 1954, pelas 8h23, precisamente, mergulhava nas águas do Atlântico, no cais de Peniche. Houve muita gente a levantar-se cedo. Centenas de pessoas acenavam, festejando por antecipação mais uma proeza do Homem-Peixe. O mar estava encapelado, mas Baptista Pereira encarou ferozmente as ondas. Quarenta minutos depois passava à frente da Forninha com a sua braçada poderosa. Sessenta braçadas por minuto, para sermos exatos. Era aí que encontrava o seu ritmo de vencedor dos oceanos. Às 9h23 dobrava o cabo Carvoeiro. Atrás dele vogava uma pequena embarcação de apoio, conduzida pelo seu treinador.

Às 10h15 já nenhum dos curiosos que tinham ocupado o cais de Peniche conseguia vislumbrá-lo, por mais que esticasse a vista até ao horizonte. O homem de Alhandra não abrandava o ritmo. Os seus pulmões bombeavam ar aos litros. Ele lutava contra o frio das águas que o rodeavam, estava prestes a chegar à Meia-Via, sempre na expetativa de que atingiria as Berlengas em menos de seis horas.

Leia o artigo completo na edição impressa do jornal i. Agora também pode receber o jornal em casa ou subscrever a nossa assinatura digital.

 

Ler Mais

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×