23/9/20
 
 
É preciso "evitar a partilha física, o abraço e o beijo", relembra Graça Freitas

É preciso "evitar a partilha física, o abraço e o beijo", relembra Graça Freitas

Lusa/Pool jornal i 22/06/2020 16:47

A diretora-geral da Saúde afirma que a "partilha de garrafas e copos entre jovens" é um vetor de transmissão da doença. 

Na conferência de imprensa desta segunda-feira sobre o balanço diário da evolução da covid-19 no país, a diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, e o secretário de Estado de Saúde, António Sales, abordaram vários assuntos como o aumento do número de casos na região de Lisboa e Vale do Tejo,  as novas orientações para as 15 freguesias do concelho de Lisboa mais afetadas pelo novo coronavírus e a preocupação com a chegada do verão e do calor, uma época marcada por mais ajuntamentos de pessoas.

Graça Freitas garantiu que as 15 freguesias com o maior número de casos na região de Lisboa são a prioridade das autoridades de saúde neste momento. "Vamos focalizar a nossa ação nelas", garantiu a diretora-geral da Saúde, acrescentando que é necessária "prevenção", "rapidez" e "cumprimento do isolamento". 

A diretora-geral da Saúde apelou ainda que as pessoas continuem a respeitar as regras da DGS, como o distanciamento social, a higienização das mãos e a utilização de máscara. No que toca aos ajuntamentos entre jovens, a diretora-geral da Saúde afirma que a "partilha de garrafas e copos" entre jovens é um vetor de transmissão da doença. No que toca ao convívio, é necessário cumprir algumas regras como evitar a "partilha física, o abraço, o beijo".

"Se tiverem sintomas, não os deixem arrastar-se, procurem a SNS24", pede a diretora-geral da Saúde. "Mesmo dentro de uma habitação, se aparecer um caso, esse caso deve isolar-se dos demais", recordou a governante, deixando ainda um apelo às pessoas que estão a cumprir o período de isolamento: "Não sair, não sair, não sair. Estão a pôr em risco os outros", relembrou.

António Sales anunciou que ocorreu um reforço de profissionais de saúde na região de Lisboa e Vale do Tejo e reforçou ainda a ideia de que ainda não existe vacina e que "os mais jovens têm a obrigação de proteger os mais velhos e mais frágeis", referindo-se ao facto dos novos casos confirmados nos últimos dias serem, na sua grande maioria, de jovens.. "Houve um reforço de profissionais de saúde nas unidades da Amadora, Sintra, Loures e Odivelas, que já duplicaram a capacidade de realização de inquérito epidemiológicos. São mais de 20 recursos humanos. Muitos dos profissionais vão começar esta semana [...]. Estamos a falar de focos e tal como nos focos de incêndio temos de acudir com os meios para que os focos não se alastrem", explicou o secretário da Saúde. 

Sobre a situação nos lares de idosos, Graça Freitas afirma que estes espaços "continuam a ser um dos focos da atenção da DGS"  e que os profissionais de saúde são "os grandes vetores da doença". Sobre o surto no lar de Caneças: Graça Freitas diz que há 60 utentes infetados e 27 casos positivos entre os profissionais

A diretora-geral da Saúde falou ainda sobre os dias mais quentes que se aproximam com a chegada do verão e disse que é necessário ter cuidados com o sol. "Estejam muito atentos às subidas de temperatura [...]. Todas as recomendações que habitualmente fazemos aplicam-se também a este verão. Não nos podemos distrair de outras coisas além da Covid. É necessário proteger os mais novos, os mais velhos, os mais vulneráveis", reiterou a responsável, acrescentando que as pessoas não se podem esquecer de se manterem hidratadas, de usar “roupas largas e protegidas”, chapéus e óculos para se protegerem contra o calor.

 

 

Ler Mais

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×