3/7/20
 
 
Mais de 465 mil mortos e de 8,8 milhões de infetados em todo o mundo

Mais de 465 mil mortos e de 8,8 milhões de infetados em todo o mundo

Jornal i 21/06/2020 14:23

Os Estados Unidos são o país mais afetado tanto em número de mortos como de casos, com 119.719 mortos para 2.255.119 infetados, seguidos pelo Brasil, o Reino Unido, a Itália e a França.

A pandemia da covid-19 matou pelo menos 464.423 pessoas em todo o mundo desde que a China anunciou em dezembro o aparecimento do novo coronavírus, indicou este domingo, dia 21 de junho, a agência France-Presse num balanço às 11:00 TMG (12:00 em Lisboa).

Mais de 8.841.680 casos de infeção foram diagnosticados até agora em 196 países e territórios, dos quais pelo menos 4.120.500 foram considerados curados.

Os Estados Unidos, que registaram a primeira morte ligada ao coronavírus no início de fevereiro, são o país mais afetado tanto em número de mortos como de casos, com 119.719 mortos para 2.255.119 infetados. Pelo menos 617.460 pessoas foram declaradas curadas.

Os seguintes países mais afetados são o Brasil com 49.976 mortos para 1.067.579 casos, o Reino Unido com 42.582 mortos (303.110 casos), a Itália (34.610 mortos e 238.275 casos) e a França (29.633 mortes e 196.594 infetados).

A China (sem contar com os territórios de Hong Kong e Macau) regista um total de 83.378 casos (26 nas últimas 24 horas), incluindo 4.634 mortos (zero novos) e 78.413 curados.

A Europa totalizava hoje às 11:00 TMG 192.589 mortos para 2.516.978 casos, os Estados Unidos e o Canadá 128.174 mortos (2.356.078 casos), a América Latina e as Caraíbas 93.621 mortos (2.017.610 casos), a Ásia 28.617 mortos (1.010.688 casos), o Médio Oriente 13.377 mortos (633.209), África 7.905 mortos (298.244 casos) e Oceânia 131 mortos (8.874 casos).

O número de casos diagnosticados apenas reflete, contudo, uma fração do número real de contaminações. Alguns países só testam os casos graves, outros utilizam os testes como prioridade para rastreamento e muitos países pobres têm uma limitada capacidade de despistagem.

Este balanço foi realizado a partir de dados recolhidos pelas delegações da AFP junto das autoridades nacionais competentes e de informações da Organização Mundial da Saúde (OMS).

 

 

Ler Mais

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×