4/7/20
 
 
Sartre e a feijoada

Sartre e a feijoada

Afonso de Melo 04/06/2020 09:36

De dia tenho sol, e o sol, para mim, é Deus disfarçado de luz e de calor que ocupa o espaço vazio que sobra quando a imaginação adoece.

A minha varanda sobre o Sado tem para aí uns três metros de comprimento por cinco de largura. E uma vida infinita nela e em redor dela, às vezes também sobre ela, porque se ela está sobre o Sado, não deixa de ter o céu por cima.

À noite debruço-me no parapeito como se me debruçasse na amurada do veleiro de José Régio que a Amália cantava e sinto aquela tristeza mansa que vai das terras de Espanha às areias de Portugal.

De dia tenho sol, e o sol, para mim, é Deus disfarçado de luz e de calor que ocupa o espaço vazio que sobra quando a imaginação adoece.

O Ganges passa pela minha varanda como se passasse pela Rua dos Douradores.

Leia o artigo completo na edição impressa do jornal i. Agora também pode receber o jornal em casa ou subscrever a nossa assinatura digital.

Ler Mais

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×