6/6/20
 
 
19 de maio de 1942. Lá ia Lisboa com a saia cor do mar pelo meio da folgança...

19 de maio de 1942. Lá ia Lisboa com a saia cor do mar pelo meio da folgança...

Afonso de Melo 19/05/2020 10:03

Ainda no velho jardim da Palhavã, antes de se mudar para Entrecampos, a sua abertura era um acontecimento que atraía milhares e milhares de pessoas. Havia de tudo. Até ao exagero das bebidas e dos petiscos. A malta, catita, caía na farra até às tantas.

“A feira abriu! A feira abriu!”: gritava a rapaziada. Feira Popular, está bem de ver. Um acontecimento! Na Palhavã, apoiada pela fundação social O Século, antes de ser transferida para Entrecampos. Completamente renovada: “É tudo caridade! Luz a jorros, tintas frescas, estrídulo e gárrulo cenário cuja montagem se deve a Carlos Pereira da Rosa, um de nariz adunco, inspirador e executor, fino como um coral!”

Não era ele sozinho, claro está, a dinamizar o empreendimento. Joaquim Pavão e Jorge Segurado estavam a seu lado. O povo, esse, desesperava para experimentar os novos divertimentos. Dignidade e pitoresco: eram essas as duas vertente da Feira Popular de Lisboa. Amostras de produtos, stands de comércio e indústria, fenómenos e fantasias. Não havia quem não quisesse ir à feira!

Leia o artigo completo na edição impressa do jornal i. Agora também pode receber o jornal em casa ou subscrever a nossa assinatura digital.

Ler Mais

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×