15/7/20
 
 
Detido alegado genocida num bairro tranquilo em Paris

Detido alegado genocida num bairro tranquilo em Paris

AFP Jornal i 18/05/2020 20:44

Félicien Kabuga, um empresário de 84 anos, é suspeito de financiar as milícias hutu que massacraram cerca de 800 mil pessoas no Ruanda, em 1994 - terá importado grandes quantidades de machetes. 

Um suspeito genocida vivia há anos, incógnito e discreto, num bairro abastado nos subúrbios de Paris. Félicien Kabuga, de 84 anos, um empresário que terá financiado o genocídio de tutsis no Ruanda, em 1994, estava em fuga há mais de duas décadas, com uma recompensa de 5 milhões de dólares pela sua detenção. Foi detido pela Interpol e pelas secretas francesas, este fim-de-semana, após uma longa vigilância aos seus filhos. Os seus vizinhos, em Asnieres-sur-Seine, descreveram-no à Reuters como um idoso frágil e reservado.

Contudo, em tempos Kabuga foi um peso pesado nos negócios e na política ruandesa. Antes do genocídio, era um dos homens mais ricos do país, dono de boa parte das suas fábricas, plantações de chá e café. Era um aliado próximo do ditador Juvénal Habyarimana, casado com uma das suas filhas, cujo assassinato, alegadamente levado a cabo pelos rebeldes tutsis liderados pelo atual Presidente Paul Kagame, despoletou o genocídio de cerca de 800 mil tutsis e hutus moderados. Outra filha de Kabuga era casada com Augustin Ngirabatware, um ministro que seria condenado a 30 anos de prisão pelo genocídio.

Não que Kabuga seja acusado apenas por cumplicidade, atenção. O empresário era dono Radio Television Milles Collines, que constantemente passava mensagens de ódio à minoria tutsi. Kabuga também terá financiado diretamente as milícias de jovens hutus que levaram a cabo o genocídio - chegando a importar uma enorme quantidade de machetes para as armar. As imagens das mutilações e massacres levados a cabo com essas armas em 1994, contra civis inocentes, dificilmente serão esquecidas pelo público mundial. 

"São muito boas notícias que alguém que planeou e financiou o genocídio, e se tem estado a esconder à tanto tempo, tenha sido detido. São boas notícias para todos, especialmente os sobreviventes", disse Valerie Mukabayire, líder da AVEGA, um grupo de mulheres sobreviventes do genocídio, citada pela Reuters.

Ler Mais

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×