7/8/20
 
 
Europa detetou 230 casos da doença inflamatória associada à covid-19 em crianças. ECDC considera risco baixo

Europa detetou 230 casos da doença inflamatória associada à covid-19 em crianças. ECDC considera risco baixo

Marta F. Reis 15/05/2020 13:27

Portugal registou um caso, também reportado ao Centro Europeu de Prevenção e Controlo de Doenças. Organismo admite que se trata de uma nova entidade clínica mas considera que o risco da covid-19 em crianças se mantém baixo 

O Centro Europeu de Prevenção e Controlo de Doenças (ECDC na sigla em inglês) publicou esta sexta-feira uma primeira avaliação dos casos de doença inflamatória aguda que têm vindo a ser registados nos diferentes países em crianças infectadas com o novo coronavírus. O alerta surgiu nas últimas semanas e tem havido algum debate entre médicos sobre se se trata de quadros de Doença de Kawasaki, uma vasculite aguda já descrita e pouco frequente, ou de uma nova doença. Segundo o ECDC, que emite orientações de saúde pública para a Europa, os sintomas apresentados são uma combinação do que está descrito para a Doença de Kawasaki e para o Síndrome de Choque Tóxico e incluem febre, dor abdominal e envolvimento da função cardíaca, considerando que se está diante de uma nova entidade clínica que ainda requer mais investigação. Até à data, os países reportaram ao 230 casos, dados onde se inclui o único caso conhecido em Portugal, como salientou esta sexta-feira no briefing diário a diretora-geral da Saúde. Registam-se duas mortes devido a esta doença, uma no Reino Unido e outra em França, um caso conhecido hoje de uma criança de nove anos que não resistiu a esta complicação.

Avaliados os primeiros casos e a incidência da infeção com o novo vírus em crianças desde o início da epidemia, o ECDC considera que o risco geral da covid-19 na população pediátrica se mantém baixo e que o risco deste novo síndrome é igualmente baixo, tendo em conta a probabilidade muito baixa desta manifestação ainda que a doença tenha um impacto elevado.

"Até à data, a associação entre a infeção com SARS-CoV-2 e esta nova entidade clínica de inflamação multissistémica ainda não foi estabelecida, apesar de uma associação parecer plausível", conclui a avaliação do organismo europeu. O ECDC assinala que os estudos epidemiológicos feitos até ao momento revelam que as crianças parecem ser menos afectadas pela covid-19. Apenas 2,1% dos casos de covid-19 confirmados laboratorialmente e reportados através do sistema de vigilância TESSy dizem respeito ao grupo etário dos 0 aos 14 anos de idade.  

O ECDC informa também que chegou a acordo com os estados membros e com o Reino Unido para incluir esta nova doença como uma possível complicação da covid-19 a ser reportada ao sistema de vigilância, reforçando-se a investigação para perceber o papel do vírus nesta manifestação e responder às restantes questões em aberto. O organismo defende também que médicos e pais devem ser informados dos sintomas e da importância de procurar cuidados, mas enfatizando a mensagem de que os casos graves associados à covid-19 em crianças são raros e que esta condição representa apenas uma pequena parte desses casos já pouco frequentes.

O relatório apresenta dados sobre alguns casos detetados nos diferentes países. O doente português é um adolescente de 13 anos que foi hospitalizado com febre alta, conjuntivite bilateral e dor no peito, tendo sido diagnosticado uma miocardite e uma pneumonia.

 

Ler Mais

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×