20/9/20
 
 
CNIS quer que se comece a "pensar no regresso das visitas aos lares"

CNIS quer que se comece a "pensar no regresso das visitas aos lares"

Jornal i 24/04/2020 20:27

Os lares de idosos estão proibidos de permitir visitas de familiares e amigos dos idosos devido à pandemia de covid-19, como medida preventiva do contágio.

A Confederação Nacional de Instituições de Solidariedade (CNIS) defendeu esta sexta-feira, dia 24 de abril, que é necessário começar a pensar em criar condições e estabelecer um calendário para voltar a permitir visitas aos idosos nos lares.

"É preciso começarmos a pensar em criar condições para que haja visitas aos lares, inclusive, estabelecendo uma espécie de programa, de calendário, criando condições para que de facto possam ser retomadas paulatinamente, moderadamente, e com muitos cuidados, possam ser retomadas as visitas. Não estou a dizer que já há condições. É preciso pensar nisto", disse à Lusa o presidente da CNIS, o padre Lino Maia.

Os lares de idosos estão proibidos de permitir visitas de familiares e amigos dos idosos devido à pandemia de covid-19, como medida preventiva do contágio, o que levou a um grande isolamento desta população, a qual também não está autorizada a sair à rua.

"Temos de pensar nisso, claramente, porque os nossos idosos já estão fechados desde o dia 06 de março e quando se fala de reabertura de creches e de outras atividades, é preciso que os nossos idosos sintam que também se está a pensar neles, que não estão abandonados, que não estão esquecidos", defendeu Lino Maia.

Para o presidente da CNIS é tempo de "criar condições e programar" o regresso a uma relativa normalidade nas visitas nos lares, acautelando as questões de proteção.

"Diria que realizados os testes, distribuídos os equipamentos de proteção individual, tomando as devidas providências, paulatinamente é preciso, de facto, começarmos a pensar nas visitas. É evidente que não pode ser escancarar as portas, nada disso, criar condições inclusive no próprio lar para que haja o conveniente distanciamento entre a pessoa visitada e a que visita", disse.

O Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social revelou que mais de 17.000 testes ao novo coronavírus já foram feitos em lares de idosos em Portugal e as autoridades pretendem atingir os 70 mil em maio.

Das 820 mortes associadas à covid-19 registadas em Portugal, 327 ocorreram em lares de idosos, revelou na quinta-feira a diretora-geral da Saúde, Graça Freitas.

Segundo a diretora-geral da Saúde, a percentagem de casos de covid-19 na população mais idosa que vive em lares "é relativamente pequena", lembrando, contudo, que esses espaços têm uma grande concentração de pessoas e que é fácil a propagação da doença, mesmo tomando as devidas precauções e as medidas de saúde já anunciadas.

Graça Freitas afirmou que estar num lar "não é uma fatalidade" e sublinhou que "a grande maioria das pessoas que adoeceram nos lares estão bem e recuperadas".

 

Ler Mais

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×