23/10/20
 
 
CEP defende ação por parte do Governo para impedir despedimentos e fecho de empresas

CEP defende ação por parte do Governo para impedir despedimentos e fecho de empresas

jornal i 18/04/2020 18:42

Segundo a confederação, o país não deve esperar pelas decisões da União Europeia, que apelida de "União dividida".

A Confederação Empresarial de Portugal (CEP) afirma que a "expectativa individual e coletiva" de que se vão "perder 400 ou 500 mil empregos" e que "milhares de empresas" vão fechar portas deve ser alterada. E para alterar este cenário é necessário que o Governo tome uma atitude. Daí a CEP ter enviado uma proposta ao primeiro-ministro, António Costa, há duas semanas e meia, com algumas medidas que devem ser tomadas pelo Governo. "A pandemia oferece-nos dois caminhos: ou nos dobramos às consequências provocadas pelo Covid-19 ou vencemos as previsões económicas. Ou ficamos à espera do pior ou agimos e definimos o nosso rumo", aponta a confederação. 

"As previsões nacionais e internacionais dão como certa uma catástrofe social e económica sem igual. Atiram para o chão as nossas expectativas e quebram a nossa confiança. Levam-nos a aceitar de antemão o que é inaceitável. Não tem de ser assim", salienta a CEP, afirmando que o Governo "está a tempo de reagir à altura das circunstâncias" e defende que o país não deve esperar pelas decisões da União Europeia, que apelida de "União dividida".

A CEP defende no seu plano de ação sete ideias para garantir a sobrevivencia das empresas.

1. Garantias de Estado convertíveis em incentivos a fundo perdido: 20 mil milhões de euros;

2. Garantias de carteira Banco Europeu de Investimento (BEI) / Fundo Europeu de Investimento (FEI): 10 mil milhões de euros;

3. Benefícios Fiscais com garantia de Estado para desconto na banca;

4. Crédito à exportação e importação com seguros de crédito associados;

5. Pagamento a pronto do Estado aos fornecedores;

6. Sistema de pagamento automático entre empresas com base no e-fatura;

7. Regime de insolvências adequado à atual crise e ao teletrabalho.

"O Governo tem de colocar as previsões no seu devido lugar – previsões não são certezas – e deve trocá-las por políticas públicas fortes, imediatas e responsáveis", defendem, apontando que outros países estão a seguir este caminho, que a confederação aponta como o mais correto. "Não apoiam apenas com crédito, que só adia o problema. Avançam dinheiro para compensar a paralisia económica. Assumem programas virados para o dia seguinte à pandemia. É simples: apoiar o emprego é mais útil do que pagar o desemprego", apontam.

 

 

Ler Mais

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×