24/10/20
 
 
14 de abril de 1958. E a malta de Sarilhos Pequenos meteu-se em sarilhos grandes

14 de abril de 1958. E a malta de Sarilhos Pequenos meteu-se em sarilhos grandes

Afonso de Melo 14/04/2020 09:17

Vinte e sete casamentos em simultâneo??? Dificilmente a coisa correria sem problemas numa terra tão pequena. De repente alguém grita: “O ministro!” O aparecimento de Veiga de Macedo parecia um milagre.

“Olhem, é o ministro!”, exclamou alguém, com espanto e reverência. E era mesmo. Depois, a malta começou a sussurrar a palavra como um eco: “... O ministro!... Viram? Viram? O ministro...”

O ministro estava às aranhas com a ventania, procurando manter-se dignamente penteado. Na Praça 5 de Outubro, em Sarilhos Pequenos, na zona da Moita, os cavalheiros vestiam fatos negros e solenes. Guardas republicanos, montados em elegantes bestas, faziam a separação natural entre os mais importantes e os que não tinham importância nenhuma. Nuvens de poeira provocavam espirros até nos cavalos. Entre a Rua João de Deus, onde reluzia a sede do 1.o de Maio Futebol Clube Sarilhense, e a Cantina António de Oliveira Salazar juntavam-se magotes de gente nervosa.

Leia o artigo na íntegra na edição impressa do jornal i. Agora pode receber o i em sua casa. Saiba como aqui.

 

Ler Mais

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×