8/3/21
 
 
Anselmo Borges: "Nunca houve uma semana santa tão verdadeira"

Anselmo Borges: "Nunca houve uma semana santa tão verdadeira"

Raquel Wise João Campos Rodrigues 11/04/2020 13:07

Por todo o mundo, os católicos tentam adaptar-se à pandemia covid-19. Com as igrejas fechadas, apostam em missas online, aliados improváveis ou até bênçãos de helicóptero. 

Esta será uma Páscoa como nenhuma outra, de Portugal ao Vaticano, de Madrid a Jerusalém, passando pela América Latina até às Filipinas. Na história recente, nunca houve um encerramento tão completo dos serviços religiosos como nesta guerra contra o inimigo invisível, o novo coronavírus - nem sequer durante a Segunda Guerra Mundial.

Será uma Páscoa em casa, online, sem missas presenciais nem procissões: para os católicos, que dão tanta ênfase ao aspeto comunitário da religião, não é fácil. «Não estando reunida a assembleia há algo que fica empobrecido», admite ao SOL José Miguel Pereira, reitor do Seminário Maior de Cristo, nos Olivais.

«Mas o aspeto comunitário não se esgota apenas em estarmos reunidos proximamente, do ponto de vista físico», considera o padre, para quem o desafio da pandemia apresenta oportunidades: provocou uma certa criatividade «para oferecer acompanhamento a quem não pode vir à celebração, os que estão doentes, reclusos, etc», por telefone ou videochamada.

«Desde as primeiras celebrações, que os cristãos faziam, perseguidos, nunca houve uma Semana Santa tão verdadeira», considera Anselmo Borges, padre e professor de Filosofia na Universidade de Coimbra. «Depois, as pessoas entretinham-se, com grandes procissões, muitas vezes com ostentação», mas não este ano. No sábado de Páscoa, os cristãos vivem o horror da morte de Cristo, à espera da esperança de domingo. Como agora, garante o sacerdote.

Leia aqui o artigo na íntegra

 

 

Ler Mais


Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×