16/08/2022
 
 
7 de abril de 1958. O regresso às conversas com Madame Raymonde, aliás Christine

7 de abril de 1958. O regresso às conversas com Madame Raymonde, aliás Christine

Afonso de Melo 07/04/2020 11:10

Depois do livro Vacances avec Salazar, de 1952, a escritora, jornalista e dramaturga francesa Raymonde Germaine Cagin, que utilizava os pseudónimos de Christine Garnier e de Doéllé, voltava a um dos seus temas favoritos: António Oliveira Salazar, um homem que, pelos vistos, a fascinava.

Seis anos antes, o encontro fizera faísca. Ou, pelo menos, pela forma contida como António de Oliveira Salazar se apresentava em público, soltara uma pequena faúlha. O encontro entre o presidente do Conselho e a jornalista francesa Christine Garnier, nascida em Troisvaux, perto do Pas-de-Calais, em janeiro de 1915, com o nome de família de Raymonde Germaine Cagin, quero eu dizer.

Christine, que também assinava sob o pseudónimo de Doéllé, alimentara um romance na sua hagiografia Vacances avec Salazar, dando do velho ditador a imagem paternalista de uma figura romanticamente devotada à sua pátria. Desta vez, tentou ir mais além no pensamento político de Salazar, talvez para lhe juntar uma certa dureza mais própria do Estado totalitário que tanto ajudara a enraizar: “Pode fazer-se política com o coração, mas só se pode governar com a inteligência”.

Leia mais na edição impressa do i

Ler Mais

Os comentários estão desactivados.


×

Pesquise no i

×
 


Ver capa em alta resolução

iOnline