15/7/20
 
 
Lares. Associação critica declarações de Marta Temido

Lares. Associação critica declarações de Marta Temido

jornal i 24/03/2020 09:15

Ministra da Saúde disse que lares deviam estar preparados, mas instituições lembram dificuldades no setor.

Depois de, no domingo, a ministra da Saúde, Marta Temido, ter referido, em conferência de imprensa, que os lares deveriam ter um plano de contingência previamente elaborado para evitar situações como a que se verificou no lar de Vila Nova de Famalicão, foram várias as críticas apontadas por diversas entidades. A Associação Nacional dos Cuidados Continuados disse estar “chocada com as declarações da senhora Ministra da Saúde”, acrescentando que “se não fossem muitas destas Organizações a estar sempre um passo à frente do Governo (proibiram visitas no passado fim de semana de 14 e 15 de março, quando a ordem do Governo só veio há menos de uma semana), bem que a atual situação que vivemos seria mais complicada e difícil”. 

Marta Temido referiu, durante a mesma conferência, que “as instituições deviam ter acautelado o facto de poder acontecer haver funcionários infetados e utentes”. Sobre esta declaração, a Associação Nacional dos Cuidados Continuados pediu a Marta Temido para descer “à Terra”. Além de existirem funcionários que estão em casa, seja de quarentena ou com os filhos, a realidade que se vive na maioria dos lares não é animadora, tendo em conta que “não há funcionários de segunda linha”. A maioria das instituições funciona apenas como lar, não tendo outros funcionários, por exemplo em creches. 

Este sábado, um lar em Vila Nova de Famalicão ficou sem funcionários disponíveis para cuidar dos idosos, uma vez que foram confirmados casos positivos entre os 18 trabalhadores – aqueles que não tiveram teste positivo ficaram em casa de quarentena. Um dia depois, os 31 utentes foram transferidos para o Hospital Militar do Porto. 

Ler Mais

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×