31/10/20
 
 
Eutanásia. "O voto de hoje não esmaga as convicções de ninguém"

Eutanásia. "O voto de hoje não esmaga as convicções de ninguém"

Miguel Silva Cristina Rita 20/02/2020 16:58

A deputada socialista Isabel Moreira foi a terceira a subir ao púlpito na sala das sessões do Parlamento.

O PS deu liberdade de voto, haverá cerca dez deputados que não votarão a favor do texto socialista (abstêm-se ou votam contra), e quem defendeu o projeto do partido foi a deputada Isabel Moreira.

A deputada socialista Isabel Moreira foi a terceira a subir ao púlpito na sala das sessões do Parlamento.

Num registo em que procurou explicar o que está em causa, a parlamentar lembrou que o que está em discussão não é a liberalização da eutanásia, mas a despenalização da morte assistida, sendo sempre aplicada em "condições especiais". Mas quis dar um exemplo.

"É desumano dizer ao Luís Marques, tetraplégico ventilado, que pede reiteradamente ajuda para abreviar a sua morte que o Estado entende que tem a obrigação de viver.Se tiver ajuda isso é crime. Em nome de quê?", perguntou.

Isabel Moreira citou também João Semedo, "deputado, médico e amigo" e terminou a sua intervenção: "O voto de hoje não esmaga as convicções de ninguém".

Entretanto, o deputado José Luís Ferreira, foi o quarto deputado a falar. O PEV tem um projeto a votos, lembrando que o pedido só pode ser feito por um paciente maior, consciente e em caso de doença incurável e em profundo sofrimento. E poderá sempre ser revogado. O PEV defende que a eutanásia só pode ser feita no SNS e não em hospitais privados, para evitar qualquer margem de "negócio" e com regras muitos específicas para despenalizar a morte assistida.

O PEV não irá votar contra nenhum dos projetos em discussão. 

Ler Mais

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×