5/4/20
 
 
Carsharing. Como se mover sem ter carro próprio

Carsharing. Como se mover sem ter carro próprio

Sónia Peres Pinto 17/02/2020 21:00

Reduzir a poluição e o número de carros em circulação é o objetivo destas soluções, que se apresentam como uma verdadeira alternativa tanto ao carro próprio como aos transportes públicos.

O modelo de carsharing tem vindo a ganhar cada vez mais adeptos no mercado nacional, principalmente nas grandes cidades. A fórmula é simples: permite-nos deslocar-nos sem termos uma viatura privada e, ao mesmo tempo, ficamos livres de todas as preocupações associadas, nomeadamente a manutenção ou os custos de estacionamento. Há várias soluções disponíveis, mas o modo de funcionamento é sempre o mesmo. Ou seja, a partir do smartphone é possível desbloquear um carro (ou scooter) estacionado num qualquer ponto da cidade e deixá-lo no seu destino, desde que esteja dentro da área de operação do respetivo serviço.

Mas as vantagens não ficam por aqui. Por cada veículo de carsharing é estimado que sejam retirados vários carros das ruas das cidades, ajudando a melhorar a situação do trânsito.

Os primeiros passos de mobilidade partilhada foram dados em 2008, quando foi lançado o Mob Carsharing; no entanto, o serviço acabou por ser descontinuado por “falta de procura”. Mas desde 2017 ganhou outra popularidade, com novas plataformas de partilha, mais práticas e também mais modernas, que assentam em aplicações para telemóvel.

A verdade é que ao longo destes últimos anos vamos assistindo ao aparecimento de novas plataformas, enquanto outras vão desaparecendo do mercado.

Modelo semelhante mas a pedalar Para os mais resistentes também há soluções de partilha, mas a pedalar. O Gira – Bicicletas de Lisboa, em parceria com a EMEL, é uma dessas soluções.

Neste sistema estão disponíveis bicicletas clássicas, mas também elétricas. A sua implementação foi feita por fases: Eixo Marginal, Eixo Benfica-Braço de Prata, Eixo Central, Olivais, Circular Exterior do concelho e Eixo Alcântara-Luz.

Quanto ao pagamento, há duas formas: subscrição do serviço (anual, mensal e diária) e utilização do serviço (depende do tempo e do número de viagens feitas).

Também a ganhar terreno está o serviço Jump da Uber, que aposta na oferta de bicicletas e trotinetes elétricas. Esta solução custa 20 cêntimos por minuto, mas terá custos acrescidos se estacionar fora da zona estabelecida pela plataforma. Em outubro passado, a Jump lançou uma espécie de “passes” mensais para os utilizadores que recorrentemente pedalavam nas suas bicicletas elétricas partilhadas. Na altura, o projeto foi anunciado como sendo “piloto”, mas a empresa pôs um ponto final nestas subscrições no final de janeiro.

Outra alternativa é a Ofo mas, para já, só está disponível em Cascais, apesar de ter Lisboa na mira. O pagamento é feito por cartão de crédito – o serviço custa um euro por cada 30 minutos de viagem.

Outras Soluções: 

Emov Foi a última plataforma a entrar no mercado português e é resultado de uma parceria entre o grupo PSA e a Câmara Municipal de Lisboa. Trata-se de uma frota 100% elétrica composta por 150 Citroën C-Zero de quatro lugares. A inscrição tem de ser feita no site (www.emov.pt) ou através da aplicação e em menos de 24 horas terá a aprovação para começar a utilizar o serviço, necessitando de documentos de identificação, carta de condução e cartão de crédito ou débito. O serviço custa 31 cêntimos por minuto, ou seja, 15 minutos de viagem podem custar 4,65 euros. Para já, atua apenas em Lisboa.

Ecooltra Com uma frota de mais de cinco mil scooters elétricas, está presente em cidades como Lisboa, Barcelona, Madrid, Valência, Roma e Milão. Após reserva, tem 15 minutos para chegar até à scooter e iniciar a sua viagem. Este tempo não é cobrado mas, caso não chegue à scooter em 15 minutos, a reserva é cancelada e terá de fazer uma nova. O custo é de 26 cêntimos por minuto; no entanto, poderá ser mais reduzido se subscrever um pack. O valor é pago através de cartão de crédito. Uma vez desbloqueada a scooter, no assento encontrará dois capacetes, toucas para se tornar mais higiénico o uso dos capacetes e uma embalagem de toalhetes.

24/7 City Sistema de carsharing de carros elétricos lançado em parceria entre a startup portuguesa Mobiag e a Hertz Ride, de aluguer de motas com pacotes turísticos. Estão disponíveis ao todo uma dezena de carros elétricos BMW i3 que podem ser alugados à hora ou ao dia. Os preços variam entre 9,90 euros (uma hora) e 54,50 euros (um dia), consoante o modelo de carro escolhido. O 24/7 City também está disponível através de uma aplicação móvel e, à semelhança dos serviços concorrentes, cobra taxas extra em caso de uso indevido. Existem três zonas de serviço: nas verdes é possível largar o carro sem custo; nas amarelas paga-se 10 euros; e nas azuis não se pode terminar viagem.

Booking Drive

Trata-se de uma plataforma de carsharing entre privados. Os interessados podem inscrever-se e disponibilizar o seu modelo para aluguer para períodos específicos em que não necessitem dele. Este serviço abrange todo o país. Para poder registar o seu veículo na base de dados necessita apenas de toda a documentação em dia (inspeção, seguro e imposto de circulação único). No entanto, os veículos têm de ter idade máxima de 15 anos e o proprietário deve ter mais de 21. Quando um utilizador mostrar interesse por um veículo abre-se um chat automático entre o proprietário e o condutor. Um condutor que disponibilize o seu carro dois dias por semana a um custo de 15 euros por dia poderá usufruir de mais de 1000 euros anuais.

Parpe

Presta um serviço semelhante à Booking Drive, ou seja, o utilizador pode registar uma viatura que pode depois ser alugada a outros utilizadores. O preço por dia (o mínimo para reserva, não havendo um período máximo) é definido pelos proprietários e a Parpe apenas “faz a sugestão do preço”, através de um algoritmo que é gerado aquando da introdução dos dados. Os proprietários terão de dar uma comissão de 20% por serviço à plataforma. Já para alugar um carro, o utilizador deve ter conta ativa no Facebook, mais de 21 anos, carta há mais de dois anos e cartão de crédito.

Share Now A antiga DriveNow, joint-venture do grupo BMW e da Sixt SE, mudou de nome no início deste mês. Em Portugal atua na área de Lisboa com uma frota de 211 carros (BMW e Mini), dos quais 40 são elétricos. O preço varia consoante o veículo escolhido. Se for um dos três modelos Mini, o preço é de 29 cêntimos por minuto. Já para os dois modelos de BMW, a versão elétrica custa 34 cêntimos por minuto e a outra versão 31 cêntimos por minuto. Os veículos da DriveNow têm de ser deixados em locais específicos, mas dentro dessa área pode parar em qualquer estacionamento público de superfície (com ou sem parquímetros). Após o registo, o cliente pode usar os serviços da empresa noutras cidades europeias.

Carsharing versus carpooling

Carpooling

• O carpooling baseia- -se em partilhar um carro entre passageiros com destinos e horários coincidentes. Assim, os condutores com carro próprio podem optar por partilhá-lo com passageiros que também façam o mesmo trajeto. Esta é uma solução particularmente vantajosa para viagens de longo curso, uma vez que assenta no princípio de dividir os custos da viagem – portagens e combustível – entre todos os passageiros.

Preços

• O preço das viagens varia muito de condutor para condutor. Mas uma viagem Lisboa-Porto costuma custar, em média, entre 12 e 15 euros (19 euros na Rede Expressos), enquanto uma viagem Lisboa-Faro poderá custar entre 10 e 15 euros (18,5 euros pela Rede Expressos).

Legislação
•  O Governo aprovou no início de maio o decreto-lei que altera o regime de acesso e exercício das atividades de aluguer e partilha de veículos de passageiros sem condutor, alteração que corresponde a uma medida Simplex+ e visa “desmaterializar, desburocratizar e simplificar os contratos de aluguer de veículos de passageiros sem condutor”. 

Aposta
•  Há cada vez mais multinacionais do setor do rent-a-car a entrarem nesta atividade e a criarem soluções próprias, em parceria ou não com outras empresas: Europcar, Hertz, Sixt, etc.
•  Também a tradicional oferta tem assistido a profundas alterações. Por exemplo, a Europcar lançou o serviço de longa duração, que assenta numa solução de renting com seguro, manutenção, pneus ilimitados, viatura de substituição ilimitada, cobertura de recondicionamento no final do contrato, possibilidade de contratação de gestão de combustível e de gestão Via Verde − para períodos de tempo até 36 meses. 

Ler Mais

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×