25/5/20
 
 
Irlanda do Norte. Polícia detém suspeitos da morte de jornalista

Irlanda do Norte. Polícia detém suspeitos da morte de jornalista

AFP Filipe Teles 11/02/2020 20:48

A detenção acontece mais de uma semana depois de os familiares da jornalista terem apresentado uma queixa às autoridades, questionando a atuação da polícia.

A polícia da Irlanda do Norte deteve esta terça-feira quatro pessoas suspeitas de estarem envolvidas na morte da jornalista Lyra McKee, há quase um ano. O seu falecimento chocou e enfureceu a Irlanda e o Reino Unido na altura, reavivando traumas dos anos prévios ao Acordo de Sexta-Feira Santa, que cessou três décadas de violência brutal e sectária na Irlanda do Norte.

Os homens em questão têm 20, 27, 29 e 52 anos e foram detidos sob o Ato de Terrorismo, em Derry, e levados para uma esquadra em Belfast onde serão interrogados, avançou a polícia norte-irlandesa. 

McKee morreu com 29 anos, no dia 19 de abril do ano passado, numa área habitacional de Derry, Creggan, um local onde os residentes são maioritariamente republicanos católicos. A jornalista fazia a cobertura de um motim desencadeado por uma operação policial com o intento de apreender armas, explosivos e munições, nas vésperas das comemorações da Revolta da Páscoa, data sinónima da independência da Irlanda. 

McKee encontrava-se perto de um veículo da polícia quando uma bala disparada por um republicano dissidente lhe atingiu a cabeça. Horas antes, a jornalista famosa pela defesa dos direitos LGBT descreveu a situação no local como “uma loucura absoluta”, no Twitter. 

O grupo autointitulado Novo IRA - dissidentes republicanos que não reconhecem legitimidade ao Acordo de Belfast - reivindicou a responsabilidade pela morte de McKee uma semana depois, lamentando-a. Na altura, o Novo IRA enviou um comunicado ao jornal The Irish News onde alegou que a repórter foi “tragicamente morta enquanto estava ao lado das forças inimigas” - descritas como as “forças da coroa” pelos dissidentes. 

A detenção surge poucos dias após a família da jornalista ter apresentado uma queixa às autoridades, questionando a atuação da polícia na noite da morte de Lyra - uma investigação separada da do homicídio da repórter.

 A queixa oficial apresentada pelos seus familiares, no dia 3 de fevereiro, materializou preocupações levantadas no ano passado, quando surgiram dúvidas sobre a perspicácia da polícia ao realizar uma operação do género durante a noite. “Enquanto responsabilizamos completamente o assassino de Lyra e os seus associados, pedimos às autoridades que investiguem os aspetos da operação policial no dia 19 de abril de 2019”, disse a família. 

O agente responsável pela investigação, o superintendente Jason Murphy, por sua vez, renovou o seu apelo à comunidade para partilhar informações com a polícia, esta terça-feira. “Sempre acreditei que algumas pessoas da comunidade sabem o que aconteceu e quem estava envolvido”, disse Murphy. “Percebo que as pessoas possam ter medo de falar connosco”, continuou, garantindo anonimato a quem decidir ajudar as autoridades.

McKee era uma jornalista em ascensão e já altamente premiada, tendo começado a trabalhar com apenas 14 anos. Dedicou parte da sua carreira, e ficou famosa por isso, a contar histórias sobre as consequências dos Troubles, nome dado ao conflito sectário na Irlanda do Norte, o que só causou maior indignação na sociedade irlandesa aquando da sua morte. Em 2019, pelo menos 49 jornalistas foram mortos, segundo os Repórteres Sem Fronteiras - um número historicamente baixo. 

Ler Mais

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×