31/3/20
 
 
Abertura ano judicial. Menezes Leitão agradeceu convite a Marcelo e lembrou as “nuvens negras”

Abertura ano judicial. Menezes Leitão agradeceu convite a Marcelo e lembrou as “nuvens negras”

Mafalda Gomes Carlos Diogo Santos 06/01/2020 15:49

Bastonário eleito não teria direito a discursar, porque ainda não está em funções, e não esqueceu hoje o apoio do Presidente da República. Criticou o governo e arrasou a delação premiada.

A cerimónia de abertura do ano Judicial começou com o discurso do bastonário da Ordem dos Advogados eleito, Luís Menezes Leitão, que ainda não tomou posse, e que começou por agradecer a Marcelo Rebelo de Sousa o convite para ser ele e não o ainda bastonário a estar presente.

Começando logo por referir que este ano judicial “começa com nuvens negras”, Menezes Leitão lançou duras críticas à criação do grupo de trabalho determinada pelo Governo para tomar medidas de combate à corrupção. “Lançou-se no país a ideia de que a maior incidência da criminalidade em certas áreas se resolve com a criação de tribunais especiais, o que a Constituição proíbe precisamente pela experiência dos tribunais especiais de triste memória”, disse, lembrando a morte de advogado e ex-bastonário Júlio Castro Caldas e a sua intervenção.

O bastonário eleito criticou ainda “a criação de um sistema de delação premiada”, lembrando que António Costa justificou a mesma com o atraso em acusações como as do caso BES, por oposição ao que aconteceu nos EUA com o caso Madoff: “Tivemos um processo penal resultante do processo Casa Pia e agora pelos vistos vamos ter uma reforma do processo penal resultante do caso BES, inspirada nos plea bargaining americanos”.

E foi mais longe: “Tendo sido o nosso país um dos pioneiros a abolir a pena de morte, tendo merecido por isso o elogio de Víctor Hugo, é preocupante a facilidade com que hoje se dispõe a acolher acriticamente modelos oriundos de uma cultura jurídica radicalmente diferente”

Também notou que importar a delação premiada seria transformar o processo penal “numa toeira dos jogos em que o mais condenado acaba por ser, não o mais culpado, mas aquele que melhor soube resolver o dilema do prisioneiro”.

Leitão Menezes ainda chamou a atenção para as notícias que dão conta de que estariam a ser dadas instruções aos magistrados do MP para que não peçam a absolvição dos arguidos nos casos de terrorismo, corrupção, homicídio ou mais mediáticos, mesmo que não vejam provas contra eles: “Os magistrados do MP não patrocinam causas”.

O bastonário eleito também referiu a não atualização das remunerações no sistema de acesso ao direito e a necessidade de se registarem à porta dos tribunais sempre que vão em trabalho. Algo que disse querer ver mudado.

Terminou, citando Montesquieu: “Quando vou a um país, não examino se há boas leis, mas se as que lá existem são executadas, pois boas leis há por toda a parte”.

Ler Mais

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×