25/5/20
 
 
Sporting-FC Porto. E os Violinos tocaram afinados ao frio do Natal...

Sporting-FC Porto. E os Violinos tocaram afinados ao frio do Natal...

DR Afonso de Melo 02/01/2020 11:10

22 de Dezembro de 1946. Depois de duas vitórias com “chapa 9”, o Sporting perdera nas Salésias, frente ao Belenenses (0-2). Recebeu o líder, FC Porto, e viu-se e desejou-se para vencer por 3-2.

Ufa! Até que enfim voltamos a ter campeonato. E logo a reabrir com um Sporting-FC Porto, um daqueles jogos que nos faz viajar pelos trilhos imparáveis da memória. Podia ter escolhido muitos, mas optei pela primeira vez que os Cinco Violinos jogaram juntos contra os grandes rivais da capital do norte.

Acrescente-se que, nesse dia 22 de Dezembro de 1946, era apenas a quinta vez que Jesus Correia, Travassos, Vasques, Albano e Peyroteo jogavam juntos, eles que, apesar da lenda extraordinária que foi crescendo em seu redor, só completaram esse quinteto por 56 vezes. Curioso referir que, nos primeiros cinco jogo a que fazemos referência, somaram três vitórias, um empate e uma derrota. O empate e a derrota foram contra o Belenenses.

Íamos na quarta jornada. Na anterior, as Salésias tinham sido ingrata para o Sporting (0-2). Havia que recuperar pontos ao líder, precisamente o FC Porto que se deslocava ao Lumiar. E atenção: fortíssima equipa! Barrigana, Lourenço e Guilhar, lá atrás; Araújo, Correia Dias, Sanfins e Catolino, na frente. A peleja foi rija, dividida. Muita gente arrostou o Inverno, quase, quase Natal. Bancadas bem compostas. E um início alegre dos leões que rapidamente entusiasmaram o seu público.

Logo aos 5 minutos, Peyroteo entrou, agressivo, no espaço entre Romão e Barrigana, atrapalhou o “keeper”, tocou a bola de cabeça para a baliza de onde ele saíra intempestivamente, mas foi Jesus Correia a dar o toque final para o golo, já sobre a linha. Ah! Convenceram-se os “sportingues”, como era hábito escrever-se na imprensa, que o caminho do triunfo estava encontrado. O desaire das Salésias, ainda por cima a zero, fora uma surpresa tremenda. Reparem que, nas duas primeiras jornadas, os Violinos tinham tocado com a força de trombones: 9-5 em Famalicão; 9-2 em casa, ao Atlético!!! Com pontos de exclamação.

Até ao intervalo, o domínio verde e branco foi, diga-se, absoluto. Raramente Azevedo se viu metido em sarilhos. Mas a segunda parte traria um jogo diferente, bem mais taco a taco.

Vertigem. Eis que, no reinício, o FC Porto se rebela. Há um canto contra o Sporting, Barrosa e Veríssimo falham a intercepção da bola e Araújo, sempre terrível naquela zona do campo, fez o empate. Estavam decorridos 7 minutos e, três minutos mais tarde, Sanfins cavalgou o optimismo dos seus companheiros e marcou o segundo golo dos nortenhos.

Quem diria? Nada na primeira parte deixara suspeitas sobre a forma como os portistas iam reagir. Mas, vendo bem, estavam no topo da classificação com três vitórias consecutivas.

Um período de atarantamento emperrou a máquina ofensiva dos Violinos. Algo de natural. Foi preciso que Barrosa, do alto da sua impressionante autoridade, arrumasse o conjunto. Depois, o talento imenso de Travassos pôs os companheiros num movimento contínuo e crescente. Os seus passes mágicos, com a parte interior ou exterior dos pés, puxavam pela velocidade dos alas, Jesus Correia e Albano. Vasques juntava-se a Peyroteo no martelar constante da defensiva portuense.

Nada poderia evitar os golos que se adivinhavam a qualquer instante. O arrojo leonino era total. A bola raramente chegava ao meio-campo no qual Azevedo se ia transformando em mais um espectador.

65 minutos: Jesus Correia lança-se numa bola dividida como um Mercúrio de asas nos pés. A vantagem é sua, a baliza fica à mercê de um remate certeiro e muito festejado. É, ainda, apenas o empate, mas já ninguém, no Lumiar, duvida que a vitória vem a caminho. Nem sequer os adversários e os seus adeptos. O meio-campo do FC Porto cai em laivos de agressividade reveladores de um certo mau perder. O povo revolta-se, grita e assobia, exige medidas por parte do árbitro que veio de Aveiro, o senhor Augusto Pacheco. Ora, o pobre fulano também não sabe ao certo o que fazer. Prefere apaziguar. Conversa com um e com outro, chama a atenção a Joaquim e a Romão, os mais excitados e ameaçadores. Como de costume, a sua atitude irrita ainda mais o público afecto ao Sporting. Mas os que viajaram desde o Porto, logo no comboio matutino, não se deixam ficar. É gente de pêlo na venta. Trocam-se insultos, esvoaçam palavrões. O Lumiar ferve.

Pelo meio do ambiente tenso, os minutos escoaram-se. Quem apostara tudo na vitória dos leões, singelo contra dobrado como nos livros do Texas Jack, começava a arrepender-se da temeridade. Faltam três minutos para os noventa e o empate subsiste, teimoso, resistente.

Que haverá ainda na imaginação dos Cinco Violinos para abrir brechas no muro que Barrigana ergueu na sua frente e vai cimentando com intervenções valiosas? Alfredo, magoado, encosta-se à direita. Faz figura de corpo presente. São, portanto, apenas dez, os portistas que se batem com valentia pela sobrevivência.

De súbito, Travasso espreita um espaço vago, um minúsculo espaço vago. Peyroteo entende como poucos a inteligência do seu companheiro. Ele e a bola irão encontrar-se na única brecha que a parede azul e branca abriu. O pontapé do Gigante de Humpata é fulminante. Peyroteo! Rematador dos rematadores. 3-2: festeja-se a vitória; carpe-se a derrota. Os Violinos não voltarão a perder até final da época. Serão campeões!

 

Ler Mais

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×