4/4/20
 
 
Sérgio Conceição. Jamor é o novo capítulo de uma longa história de conflitos

Sérgio Conceição. Jamor é o novo capítulo de uma longa história de conflitos

AFP Laura Ramires 12/12/2019 22:02

Pedro Ribeiro, treinador do Belenenses SAD, é o mais recente nome a surgir no historial polémico do técnico do FC Porto. Antes já tinham dado que falar os desentendimentos com os presidentes do Sp.Braga, Académica e Olhanense.

Sérgio Conceição é a típica personalidade que não gera consenso na opinião pública. E este facto parece ser, aliás, o único indiscutível. Polémico, o perfil do treinador do FC Porto é daqueles casos que, como se costuma dizer, ou ‘se adora ou se odeia’.

Frontal, destemido, corajoso, defendem uns. Arrogante, mal-educado e temperamental, dizem outros.

Vem isto a propósito da mais recente polémica em que o técnico se viu envolvido, no passado domingo, no jogo em que o dragão empatou a uma bola com o Belenenses SAD, no Jamor. Foi, de resto, no túnel de acesso ao Estádio Nacional, durante o intervalo do encontro, que o desentendimento entre Sérgio Conceição e Pedro Ribeiro, treinador dos azuis, aconteceu. Num momento em que ambos trocaram insultos e empurrões, houve quem confirmasse que o treinador do FC Porto terá mesmo dado um murro a Pedro Ribeiro. Apesar das agressões terem sido prontamente negadas por Francisco J. Marques, diretor de comunicação do clube azul-e-branco, o momento de tensão, com troca de palavras acesa, existiu e foi confirmado por elementos policiais.

Este capítulo pode trazer sérias consequências ao técnico portista, que arrisca ser suspenso até final da temporada, caso seja provado que agrediu a soco o treinador do Belenenses SAD. Para ajudar a definir o castigo vão contribuir os relatórios do árbitro, delegados da Liga e polícia. Por enquanto, nas imagens entretanto divulgadas pela SIC Notícias é possível ouvir Pedro Ribeiro a queixar-se de ter sido agredido pelo técnico dos dragões. “Ó boi, deu-me um soco”, protesta o técnico do Belenenses SAD. Sérgio Conceição já remeteu para hoje, depois do jogo com o Feyenoord para a Liga Europa, uma reação à alegada agressão.

A longa lista de conflitos O desaguisado no Jamor é apenas mais um a ser anexado ao currículo de Conceição, que, diga-se, é bastante rico neste sentido. Em 2015 a SAD do Sp. Braga, clube que Conceição orientava à data, instaurou um processo disciplinar com vista a despedimento com justa causa do treinador, acusado de insultar e ameaçar agredir o presidente António Salvador. Num comunicado, o clube minhoto escrevia ainda que “o caráter conflituoso, autoritário e agressivo” do treinador “não conhece limites”.

Foi, de resto, durante a passagem pelo Sp. Braga que outro episódio da mesma natureza se tornou viral. Após empate sem golos no jogo entre minhotos e Académica, em março de 2015, Sérgio Conceição e José Eduardo Simões, presidente dos estudantes, protagonizaram uma discussão acesa no túnel de acesso aos balneários do Estádio Municipal de Braga. Conceição, antigo jogador e treinador da Académica, reclamou de uma dívida referente ao tempo em que comandou a equipa técnica de Coimbra (de abril de 2013 e maio de 2014), tendo sido mesmo acusado de apertar o pescoço ao dirigente. Ainda antes, em 2012, uma forte discussão entre Sérgio Conceição e o presidente do Olhanense, Isidoro Sousa, nas instalações do Estádio José Arcanjo, ditou a saída do treinador do clube algarvio, o primeiro desafio que assumiu enquanto treinador principal. Ainda antes de aterrar no FC Porto, Sérgio Conceição passou pelos franceses do Nantes. Apesar de não ter sido conhecido nenhum confronto de maior expressão, a saída abrupta do português do comando técnico da equipa levou o presidente Waldemar Kita a afirmar que o treinador tinha traído a confiança “de todo o mundo”.

De sublinhar, porém, que a maioria dos conflitos em que se viu envolvido parecem ser águas passadas, uma vez que são públicas as relações pacíficas que hoje em dia o técnico mantém com António Salvador, José Simões ou Waldemar Kita.

Uma certa agressividade, palavra tantas vezes utilizada pelo técnico nas conferências de imprensa, e o mau perder – impossível de esconder –, parecem fazer parte de um ADN que não é possível alterar em Sérgio Conceição.

Prova disso mesmo é também a carreira que fez enquanto jogador profissional, com um dos episódios mais representativos desta faceta a acontecer no Standard Liège, que capitaneava. Na altura, Sérgio Conceição arriscou uma suspensão de 5 anos por ter atirado a sua camisola contra um árbitro, depois de ter sido expulso por ter cuspido num adversário.

 

Ler Mais

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×