26/1/20
 
 
Nos Alive. Um dia extra para receber o rei do hip-hop, Kendrick Lamar

Nos Alive. Um dia extra para receber o rei do hip-hop, Kendrick Lamar

Hugo Geada 06/12/2019 20:46

Na conferência de imprensa que assinalou a apresentação oficial do festival que acontece no Passeio Marítimo de Algés foi anunciado um quarto dia para o certame e as confirmações de Kendrick Lamar e Angel Olsen.

A apresentação oficial do festival Nos Alive aconteceu ontem, em Algés, e foi marcada por diversas novidades, nomeadamente a adição de uma data extra, algo que não acontecia desde 2011, ano em que atuaram os Coldplay, Blondie ou Grouplove. No entanto, a grande novidade na conferência de imprensa, que ofuscou praticamente tudo o resto que foi dito, foi a confirmação de Kendrick Lamar.

Um dos artistas mais influentes da década de 2010 e o primeiro rapper a vencer um Pulitzer, o músico americano, que já esteve em 2014 no Nos Primavera Sound e em 2016 no Super Bock Super Rock, regressa a Portugal para atuar no dia 8 de julho, quarta-feira, data extra confirmada hoje pelos organizadores do certame.

Nos álbuns de Kendrick podemos encontrar influências que vão desde os Funkadelic e Miles Davis até Tupac ou Notorious B.I.G. Good Kid, M.A.A.D City, o seu segundo álbum (2012), oferece uma narrativa conceptual centrada na adolescência do rapper e é uma reflexão sobre as suas experiências, excessos e a vida no seio de um gangue, tudo ao som de beats inspirados no hip-hop da Costa Oeste, que viu emergir na sua cena músicos como o acima mencionado Tupac, Ice Cube ou Dr. Dre. To Pimp a Butterfly (2015), considerado um álbum de hip-hop político e consciente, demarca-se um pouco do ego de Lamar e aborda uma variedade de problemas raciais da cultura afro-americana, tudo isto enquanto incorpora influências de jazz, eletrónica avant-garde e uma lírica assente na poesia e na spoken word. DAMN. (2017), o seu álbum mais recente, apesar de mais radio friendly e acessível, não refletiu uma quebra de qualidade e tornou-se o primeiro álbum (fora do jazz e da música clássica) a vencer o prémio Pulitzer na categoria musical.

Não menos importante é a confirmação da angelical Angel Olsen no palco Sagres deste festival. A cantautora de St. Louis, Missouri, lançou este ano o seu quarto longa-duração, All Mirrors, considerado por publicações como a revista Rolling Stone ou os sites Consequence of Sound e Stereogum como um dos melhores álbuns do ano, no qual a cantora aposta numa maior orquestração instrumental para embelezar a sua delicada e melancólica voz.

Angel vai atuar no dia 10 de julho, o mesmo dia que trará a Algés o contraste entre o futuro da pop e a nostalgia do rock alternativo dos anos 1990. Estamos a falar dos cabeças-de-cartaz dessa noite, nomeadamente um dos fenómenos mais recentes da música, Billie Eilish, e o regresso ao palco dos icónicos Faith No More.

A americana de 17 anos tomou o mundo da música de assalto e, com a sua mistura de pop com eletrónica, música indie e uma leve estética do hip-hop, tornou-se uma das artistas de maior sucesso deste ano. Eilish começou por lançar músicas no SoundCloud para saltar rapidamente para um álbum de estreia, When We All Fall Asleep, Where Do We Go? (coproduzido pelo irmão, Finneas, que vai atuar no mesmo dia, em nome próprio, neste festival). O álbum chegou a dupla platina nos Estados Unidos e foi nomeado para seis categorias dos Grammys, incluindo Gravação do Ano, Álbum do Ano, Canção do Ano e Melhor Revelação.

Já os Faith No More, sob a batuta do inconfundível e irreverente Mike Patton, foram uma das bandas mais inventivas da década de 90. Apesar de a sua música ser frequentemente classificada como metal ou rock alternativo, esta definição não faz jus ao ecletismo que resulta da mistura dos mais díspares estilos como hardcore punk, synthpop, trash metal, jazz, samba, ska ou bossa nova.

Nesse mesmo dia atuam ainda os queridos do indie rock, Cage the Elephant, Anderson .Paak & The Free Nationals, Caribou e Hobo Johnson and The Lovemakers. Taylor Swift, alt-J, Khalid e Parov Stelar sobem ao palco no dia 9 e, no dia 11 de julho, o destaque vai para o regresso aos palcos dos portugueses Da Weasel, Two Door Cinema Club, Haim, Wolf Parade e Parcels. Os restantes nomes irão ser posteriormente confirmados pela organização do festival.

O Nos Alive vai decorrer entre os dias 8 e 11 de julho no Passeio Marítimo de Algés, em Lisboa. O passe de três dias original custa 159 euros mas, agora com um dia extra, por mais 30 euros poderá comprar o bilhete para o quarto dia. O bilhete diário tem o preço de 69 euros.

 

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×