11/12/19
 
 
"Temos de fazer jornalismo, doa a quem doer"

"Temos de fazer jornalismo, doa a quem doer"

Diana Tinoco Joana Marques Alves 03/12/2019 19:42

Sandra Felgueiras, Maria Flor Pedroso e Gonçalo Reis foram ouvidos esta terça-feira na AR a propósito da suspensão temporária do programa da RTP Sexta às 9

"Nunca em 8 anos de programa tive uma suspensão durante um ato eleitoral. Se me perguntam diretamente se era possível fazer o programa 'Sexta às 9' durante o mês de setembro, a minha resposta é 'sim, era possível com o lítio". Esta foi uma das frases de Sandra Felgueiras durante uma audição na comissão de Cultura e Comunicação, na Assembleia da República, a propósito da suspensão do programa de investigação que coordena, ‘Sexta às 9’, durante o período de eleições, cujo tema era a exploração de lítio nas aldeias de Rebordelo, Morgade e Carvalhais.

Tal como o i noticiou na altura, o programa ‘Sexta às 9’ foi ‘empurrado’ para fora da grelha televisiva durante o período de eleições, uma decisão que veio pôr mais achas na fogueira no que diz respeito ao desconforto existente entre a equipa do programa e a direção do canal público.

Durante a audição de hoje, a jornalista explicou que reporta tudo a Cândida Pinto, diretora-adjunta de informação da RTP. “Eu comuniquei naturalmente à Cândida Pinto em julho que este [o lítio] seria o tema de andamento e de prossecução. Objetivamente, a reportagem que iria ser emitida dia 13 de setembro era a reportagem do lítio, era isto que estava previsto”, explicou Sandra Felgueiras.

No entanto, no dia 23 de agosto, houve uma “reunião presencial com Cândida Pinto e Maria Flor Pedroso” - que assume o cargo de diretora -, na qual ficou definido que o programa só voltaria ao ar no dia 11 de outubro.

“Foi-me dito que iria haver ajustes em função da campanha eleitoral. O que eu reparo e que vejo é que de facto os ajustes que houve foi apenas no dia 06 [de setembro]. No dia 13 não houve nada, no dia 28 houve um programa ‘Eu, cidadão’, curiosamente feito por Cândida Pinto, dia 26 não houve nenhum especial sobre Tancos apesar de o programa ‘Sexta às 9’ ter sido o amplo difusor de um caso que o Ministério Público acabou por confirmar em acusação pública”, referiu a jornalista.

Quanto à questão de este ser um tema que poderia incomodar alguns membros do Executivo liderado por António Costa, Felgueiras explicou que, após a emissão da reportagem sobre o lítio, "o secretário de estado, João Galamba, fez um contacto via assessores à Direção de Informação [RTP]". A jornalista foi então chamada à direção e informada de que o secretário de Estado iria estar presente no programa. “Qualquer servidor público deve saber que não está acima da lei e do escrutínio. Nós não nos podemos acomodar a fazer agenda de informação e como se dizia noutros tempos "propaganda". Temos mesmo que ter espinha dorsal. E temos que fazer jornalismo, doa a quem doer", afirmou Sandra Felgueiras.

Maria Flor Pedroso, que também foi ouvida ontem pelos deputados, explicou que a "interrupção do programa não tem nada a ver com alguma informação que o programa estivesse a dar. A decisão prioritária foi a de fazer uma cobertura da campanha eleitoral de forma plena e, por vezes exaustiva", o que fez com que fosse necessário “sacrificar alguns formatos”.

"Nunca passou pela nossa cabeça alguma vez acabar com o programa", acrescentou a diretora de informação. Quanto ao facto de o tema em si – a exploração de lítio – poder incomodar o governo, Maria Flor Pedroso foi perentória: "Eu não acredito que haja um jornalista da RTP que tem uma notícia e não a dá. Nós sabíamos obviamente o que é que os programas estão a tratar. A questão do lítio nem era novidade. Estas notícias abriram os noticiários mais importantes". "Não, esta direção não foi sujeita a pressões, nem do Governo nem da oposição porque não é permeável a elas”, afirmou a diretora de informação. “Não sinto que eu ou a minha direção esteja beliscada por causa deste caso", acrescentou.

Outra das questões abordadas na audição foi a composição da equipa do ‘Sexta às 9’ e as condições dos trabalhadores do canal público.

"Em junho, com uma equipa esgotadíssima pelo trabalho, a diretora-adjunta perguntou a todos como se sentiam e alguns começaram a chorar. A diretora-adjunta não perguntou como me sentia, mas se perguntar quem fez o 'Sexta às 9' e chamar todos os repórteres, todos responderão que fui eu", confessou Sandra Felgueiras, revelando que chegou a pôr o lugar á disposição várias vezes.

Maria Flor Pedroso admitiu que a RTP ainda tem falsos recibos veres e que alguns deles trabalham com Sandra Felgueiras. “Lutarei para que não haja precariedade”, afirmou a diretora do canal público.

Também Gonçalo Reis, Presidente do Conselho de Administração da RTP, falou sobre a questão laboral: “nós colocámos no plano de atividades para 2020 uma proposta de fazer contratações para posições técnicas”, assegurou. Quanto ao ‘Sexta às 9’, Gonçalo Reis disse que sabia que iriam ser feitas alterações na grelha devido à eleições, mas não sabia quais os programas que seriam interrompidos. O responsável fez ainda questão de dizer que mantém  “toda a confiança na Direção de Informação e na coordenação do programa 'Sexta às 9'. O programa é para continuar com a Sandra Felgueiras”.

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×