28/2/20
 
 
Comandante Militar da Madeira afastado por disparos com civis

Comandante Militar da Madeira afastado por disparos com civis

Joaquim Gomes Joaquim Gomes 24/10/2019 16:08

A sua substituição já foi confirmada pelo porta-voz do Estado-Maior-General das Forças Armadas, comandante Santos Serafim.

O comandante operacional da Madeira, major-general Carlos Perestrelo, foi afastado das funções, esta quinta-feira, por disparos de salvas feitos por civis, nos torneios de golfe realizados em Santo da Serra, na Madeira.

A situação, noticiada pelo jornal Diário de Notícias da Madeira, tornou insustentável que aquele oficial-general do Exército continuasse em funções, tendo a sua substituição sido confirmada pelo porta-voz do Estado-Maior-General das Forças Armadas, comandante Santos Serafim.

O major-general Carlos Perestrelo será substituído no cargo que desempenhava, desde 23 de maio de 2017, por despacho do então Ministro da Defesa Nacional, Azeredo Lopes, que por sua vez se demitiu na sequência do escândalo do furto de armas de guerra em Tancos, tendo sido recentemente acusado pelo Ministério Público.

Segundo as edições impressas de 23 e 24 de outubro do Diário de Notícia da Madeira, “em pelo menos duas ocasiões, civis foram convidados a dispararem uma salva (OBUS 8.8), na presença do major-general Carlos Perestrelo, que na ocasião, em declarações ao mesmo jornal disse não ter “autorizado nada de ilegal”.

De acordo com aquele jornal madeirense, “para além dos disparos efetuados por civis, marcavam presença nos torneios, militares uniformizados em cerimónia”, sendo que “um deles tocou clarim” e “foram também prestadas honras” que fazem parte do protocolo da Arma de Artilharia.

O Estado-Maior-General das Forças Armadas (EMGFA), por isso, analisou com carácter de urgência o episódio, tendo sido já nomeado um tenente-general (patente imediatamente acima da de Carlos Perestrelo, que é major-general), para desencadear um processo de averiguações.

Ainda segundo o EMGFA, citado pelo Diário de Notícias, da Madeira, “a prática do uso de peças de artilharia e de militares uniformizados em cerimonial para realizar salvas em torneios de golfe, não era do conhecimento do Estado-Maior-General das Forças Armadas”.

O major-general, Carlos Alberto Grincho Cardoso Perestrelo, de 58 anos, nasceu em 25 de novembro de 1960, em Portalegre, contando já com 38 anos de serviço, sendo que foi promovido ao atual posto em 4 de novembro de 2013.

É oriundo da Arma de Infantaria e está habilitado com os cursos curriculares de carreira, o curso de Estado-Maior e o curso de promoção a oficial general e possui entre outros, o curso de paraquedismo militar, instrutor de paraquedismo, saltador operacional de grande altitude, instrutor Comando das Forças Especiais e com curso de “Rangers” obtido nos Estados Unidos da América.

Ler Mais

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×