18/11/19
 
 
Banca. Vem aí nova crise financeira e será “20 vezes pior” que a crise do subprime

Banca. Vem aí nova crise financeira e será “20 vezes pior” que a crise do subprime

Mafalda Gomes Sónia Peres Pinto 23/10/2019 20:41

Portugal ainda tem na memória as ajudas que deu ao setor financeiro português. E essas ajudas davam para pagar 27 pontes Vasco da Gama, construir 157 hospitais ou mesmo assumir os gastos durante dois anos do consumo doméstico de eletricidade.

Estamos perante uma nova crise financeira? Os alarmes voltaram a soar com o relatório da consultora McKinsey, que garante que mais de metade dos bancos mundiais estão demasiado fragilizados para sobreviverem a uma crise. E dá uma explicação: a maioria dos bancos não são economicamente viáveis porque os retornos não estão a acompanhar o ritmo de aumento dos custos das operações. Como solução, a consultora recomenda ao setor bancário que invista no desenvolvimento de tecnologia e que pondere novas fusões.

A ideia é simples: através de fusões, as instituições financeiras ganham escala e, desta forma, mantêm-se competitivas. “Acreditamos que estamos no fim de um ciclo económico e os bancos precisam de tomar decisões ousadas, porque não estão em grande forma”, disse Kausik Rajgopal, senior partner da consultora.

De acordo com dados da consultora, em média, a banca aloca apenas 35% do orçamento à inovação. Em contrapartida, as novas empresas tecnológicas do setor financeiro (fintechs) dedicam 70% dos respetivos orçamentos ao desenvolvimento de tecnologias inovadoras. Face a isto, a McKinsey defendeu que os bancos arriscam tornar-se “notas de rodapé da História”.

A opinião é partilhada pelo governador do Banco de Portugal, que também ontem admitiu que a tecnologia põe em causa o modelo da banca universal. E, como solução, Carlos Costa defende que a transformação da banca passará cada vez mais pela oferta segmentada de produtos, adaptada a cada cliente com base até nas suas redes sociais, pondo em causa o modelo universal – “um mercado que será mais competitivo e será marcado pela oferta separada de diferentes produtos que estavam agregados na banca universal”, vincou.

Para o governador, tanto os acionistas como a administração dos bancos são responsáveis pela definição do novo caminho que os bancos devem seguir, aproveitando a revolução digital que está a assaltar o setor da banca de retalho. E lembra que, para se adaptarem aos novos tempos, os bancos considerados tradicionais têm de se adaptar tecnologicamente, provavelmente servindo-se de serviços tecnológicos prestados por outras empresas (caso das fintechs), uma vez que será difícil terem escala e dinheiro para o fazerem internamente. Os bancos terão ainda de ser rápidos a responder aos clientes e a antever as necessidades do mercado.

Impacto nos resultados O certo é que os bancos já andam a fazer contas do impacto se vier aí uma nova crise financeira. Contactado pelo i, Gonçalo Caeiro, account manager da XTB, lembrou que, em julho, quando o presidente Mario Draghi indicou que poderia reduzir as taxas de juro na Europa para estimular a economia, o banco Santander Totta estimou um impacto de 100 milhões nos resultados. “A redução da taxa de juro para menos 0,50% imposta pelo BCE e implementada em setembro implica uma redução nos retornos apresentados pelos bancos. Uma forma de o combater seria com a diminuição dos custos das operações”, refere.

E não tem dúvidas: “Sabemos que uma crise será inevitável, mas não sabemos a sua intensidade. Mas os países com maior endividamento estão sujeitos a consequências mais graves, como é o caso de Portugal”, diz ao i.

Já Pedro Amorim, analista da corretora Infinox, concorda com o cenário da consultora McKinsey ao lembrar que “esta situação deve-se ao alto endividamento das famílias e das empresas. Houve uma política de incentivo ao crédito nos últimos quatro anos que levou o endividamento a atingir novos máximos. Uma subida de juros será prejudicial porque o raciocínio de incumprimento vai disparar na mesma proporção. Um dos motivos pelos quais o BCE não sobe os juros é porque sabe que levará metade da banca à falência”, refere ao i.

Em relação à nova crise que possa surgir, o responsável garante que “será 20 vezes mais danosa” que a do subprime, crise desencadeada em 2007 que começou nos Estados Unidos e rapidamente alastrou por toda a Europa – e dá dois motivos para isso: “os montantes em questão são claramente superiores e, passado mais de uma década, as coisas acontecem mais rápido devido à tecnologia. Temos quase 15% da dívida mundial com juros negativos – nunca antes visto”, acrescenta.

Ajudas financeiras A verdade é que Portugal ainda tem na memória as ajudas que o país deu ao setor financeiro. Feitas as contas, até ao final do ano passado, Portugal gastou aproximadamente cerca de 18 mil milhões de euros. E, segundo as contas de Gonçalo Caeiro, “estima-se que os contribuintes possam ajudar com mais 5,5 mil milhões de euros, o que irá perfazer um valor aproximado de 23,5 mil milhões de euros”.

O analista lembra que a verba que foi investida para ajudar o setor financeiro nacional daria para construir cerca de 157 hospitais e dá como exemplo o novo hospital de Évora, que está há três anos para ser construído e exige um investimento superior a 150 milhões. “Para nem referir os valores das taxas moderadoras, que poderiam ser isentas neste setor”, diz ao i.

Já Pedro Amorim garante que perdeu a conta às ajudas financeiras no mercado nacional. “A última vez que fiz a conta dava para pagar 27 pontes Vasco da Gama. A situação do Novo Banco ainda está por resolver e ainda não existiu transparência suficiente para perceber o negócio da venda ao fundo de investimento que o comprou. O Estado já sabe que ainda vai injetar mais ou menos 5 mil milhões de euros no Fundo de Resolução. É caricato, mas é quase um poço sem fundo. Nestas contas não estão a CGD e o Montepio. Estamos ainda à espera do resultado final”, salienta o analista.

E as contas continuam: “Tenho um amigo que trabalha na EDP que me contou que o valor dava para pagar dois anos do consumo doméstico de eletricidade. E há mais comparações. Só o BPN dava para pagar 291 alas do São João para crianças com cancro. Mais uma comparação para finalizar: o valor que foi gasto na banca ultrapassou o valor de toda austeridade do Governo de Passos Coelho”.

 

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×