21/11/19
 
 
Bastonário avança com queixa contra obstetra e pede a conselho disciplinar para acelerar processos

Bastonário avança com queixa contra obstetra e pede a conselho disciplinar para acelerar processos

Miguel Silva Marta F. Reis 18/10/2019 21:00

Em conferência de imprensa, Miguel Guimarães adiantou que o médico que não detetou malformações de bebé que nasceu em Setúbal tem cinco processos disciplinares em curso, o mais antigo de 2013

O bastonário da Ordem dos Médicos anunciou esta sexta-feira que vai avançar com uma queixa contra o médico obstetra que não detetou malformações graves no bebé que nasceu a 7 de outubro no Hospital de Setúbal. Miguel Guimarães anunciou também que irá pedir ao conselho disciplinar para ouvir de imediato o médico, sendo que a inquirição é necessária para que seja decidida uma eventual suspensão preventiva do clínico, que até esta sexta-feira continuava a exercer. A não comparência do médico é motivo para decretar a suspensão.

Hoje a clínica Eco Sado, onde a mãe de Rodrigo fez as ecografias de vigilância de gravidez e foi assegurado à família que a criança estaria bem, suspendeu as consultas e exames de ginecologia e obstetrícia, uma decisão interna. Contactada pelo i, a clínica informou ao longo do dia que a direção não estava disponível para quaisquer esclarecimentos. Artur Carvalho é sócio gerente da clínica.

Em conferência de imprensa, Miguel Guimarães sublinhou por diversas vezes que na Ordem existe separação de poderes, entre órgãos executivos e disciplinares, ambos eleitos pelos médicos, e admitiu que a medida que toma no sentido de acelerar o processo é inédita neste mandato. 

O bastonário revelou que o médico tinha neste momento cinco processos disciplinares em curso no conselho disciplinar regional do sul, casos que disse desconhecer até esta semana, por não serem comunicados à direção da ordem. Miguel Guimarães disse também desconhecer se existem nestes casos situações idênticas à do bebé que nasceu este mês, uma vez que os processos em curso estão sujeitos a segredo de justiça. 

Além da queixa e deste caso em concreto, Miguel Guimarães anunciou que vai fazer um requerimento ao Conselho Superior da Ordem pedindo que verifique a conformidade da atuação do conselho regional do sul relativamente aos processos que envolvem este médico.

Dizendo não se sentir confortável com este caso e admitindo uma situação "potencialmente grave", Miguel Guimarães considerou ainda assim que "uma árvore não faz a floresta" e sublinhou a qualidade dos cuidados de obstetrícia no país. A posição surge depois de o presidente da Sociedade Portuguesa de Obstetrícia ter alertado para o facto de haver médicos sem qualificação necessária a fazer ecografias morfológicas, a ecografia que é feita entre as 20 e 22 semanas e que permite despistar malformações anatómicas. Miguel Guimarães sublinhou que a atividade nesta área está regulamentada. 

Rodrigo nasceu sem globos oculares e com malformações graves no nariz e no crânio, denunciou a família ao Correio da Manhã, tendo avançado com uma queixa na justiça. O MP confirmou já abertura de um inquérito. O mesmo médico já tinha sido alvo de um inquérito do Ministério Público em 2011, arquivado por não terem sido provados indícios de má prática, revelou a agência Lusa.

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×