24/10/19
 
 
Tancos. PS e Bloco viabilizam nova comissão de inquérito

Tancos. PS e Bloco viabilizam nova comissão de inquérito

Mafalda Gomes Luís Claro 09/10/2019 23:28

Direita pede explicações a António Costa e acusa ex-ministro da Defesa de mentir. Socialistas recusam “alimentar justicialismos populistas”.  

O debate sobre o caso Tancos, que a direita quis realizar durante a campanha eleitoral e não conseguiu, ficou marcado pela disponibilidade manifestada pelo PS, Bloco de Esquerda e PEV para uma nova comissão de inquérito. 
“Se uma nova comissão parlamentar de inquérito vier a ser requerida viabilizá-la-emos”, disse Filipe Neto Brandão, vice-presidente do grupo parlamentar, garantindo que os socialistas querem que “todos os factos relativos a Tancos possam ser apurados e todas as responsabilidades imputadas”. 

Os bloquistas, pela voz do líder parlamentar, também manifestaram abertura para “na próxima legislatura fazer uma comissão de inquérito sobre o que verdadeiramente aconteceu”. Pedro Filipe Soares considerou que a acusação do Ministério Público revelou “novas informações que vale a pena serem levadas em conta”. 

OPCP foi mais cauteloso. António Filipe defendeu que é preciso “aguardar” pela decisão judicial e recusou retirar ilações com base apenas na acusação. “Só no final”, disse o deputado comunista. Já o Partido Ecologista “Os Verdes” garantiu que não se irá opor à criação de uma comissão de inquérito. 

A proposta para a criação de uma nova comissão parlamentar de inquérito ao caso Tancos foi feita pelo CDS em plena campanha eleitoral. 

ministro mentiu A polémica dominou a campanha eleitoral devido à acusação do Ministério Público. Fernando Negrão repetiu ontem, no parlamento, os argumentos utilizados pelo PSD para pedir um debate de urgência. “Se [António Costa] sabia e nada fez, foi conivente. Se não sabia, algo de estranho se passa no Governo”, disse o líder parlamentar do PSD. 
Negrão lançou várias perguntas dirigidas a António Costa: “Como avalia o senhor primeiro-ministro a atuação do ministro da Defesa? Como e quando soube?”. 

A seguir, Duarte Marques, deputado social-democrata, manifestou a convicção de que o ministro Azeredo Lopes “mentiu no parlamento e, em particular, na comissão de inquérito”. 

Do lado do CDS, Telmo Correia também defendeu que o primeiro-ministro não se pode “esconder” e tem de esclarecer se o ex-ministro da Defesa Azeredo Lopes “transmitiu ou não transmitiu” o que sabia. 

justicialismos populistas OPS recusou “alimentar justicialismos populistas” e alertou que o parlamento “não se pode substituir a essa avaliação judicial”. Filipe Neto Brandão, vice-presidente do grupo parlamentar, aproveitou para criticar a postura da direita durante a campanha eleitoral. “Pode ser demagogicamente tentador – e foi-o, manifestamente na campanha eleitoral – mas não prestigia nenhum parlamentar (…) É alimentar justicialismos populistas. Numa palavra, é, parlamentar e democraticamente, uma indignidade”, afirmou. 

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×