1/6/20
 
 
Feyenoord. Guilhermina e Beethoven, a taça e o caixa-de-óculos

Feyenoord. Guilhermina e Beethoven, a taça e o caixa-de-óculos

Afonso de Melo 02/10/2019 22:53

O adversário do FC Porto foi a primeira equipa holandesa a vencer a Taça dos Campeões Europeus. Sob o comando de Ernst Happel, em 1970, bateu o Celtic por 2-1 na final disputada em Milão. Tinha gente como Israel, Kindvall e Van Hanegen.

Foi, à nascença, Wilhelmina, que se pode aportuguesar por Guilhermina. Isto em 1908, quando uma rapaziada se juntava num pub de Roterdão chamado De Vereeniging, qualquer coisa como A Associação, assim liberalmente. Em homenagem à rainha da Holanda, claro está, que subiu ao trono com apenas dez anos, em 1890. Depois andou de nome em nome: Hillesluise Football Club, RVV Celeritas e, finalmente, Feyenoord, adotando a designação do bairro onde se instalara. Ou melhor, foi Feijenoord, mas como ninguém fora dos Países Baixos sabia pronunciar o “ij” corretamente, mudou-se convenientemente para o “y”. Afinal, já era o ano de 1974 e o Feyenoord, adversário do FC Porto na Liga Europa, tornara-se um dos grandes do continente ao vencer a Taça dos Campeões de 1970, primeira equipa holandesa a consegui-lo.

Quando o Ajax apareceu na final de 1969, em Madrid, embora perdendo para o Milan por 1-4, a Holanda entrou no mapa internacional, algo que a teimosia em se manter no amadorismo total durante muitos anos tinha impedido. Mas em 1963, na meia-final de Lisboa, frente ao Benfica, milhares e milhares de adeptos do clube de Roterdão invadiram a capital portuguesa, certos de que a final seria o seu desígnio. Saíram derrotados por 1-3. Tiveram de esperar. A época de 1969-70 traria a glória imperecível. Logo na segunda eliminatória, o Feyenoord provou ao que vinha despachando o campeão europeu, Milan (0-1 e 2-0). Depois eliminou o Vorwärts Berlim e o Legia Varsóvia. A primeira final da história do velho Guilhermina estava marcada para o San Siro de Milão, no dia 6 de maio de 1970. Adversário, o Celtic de Glasgow, que ganhara a Taça dos Campeões no Estádio Nacional, frente ao Inter, em 1967, pondo um ponto final no reino do catenaccio.

O treinador do Feyenoord era um austríaco, natural de Innsbruck, que se considerava parecido com Beethoven e aproveitava para ser tão antipático quanto se dizia ter sido o divino surdo. Dava os primeiros passos numa carreira brilhante que o fez passar pelo Brugge (finalista da Taça dos Campeões), pela seleção da Holanda (finalista do Mundial de 1978) e pelo Hamburgo (campeão da Europa). Tinha ao seu dispor jogadores da classe do capitão Israel, do médio Jansen e dos avançados Kindvall e Van Hanegen. E um defesa que não atuou em Milão mas fazia as delícias da malta da minha infância: Jop van Daele, que jogava com uns bem vistosos óculos de massa.

O jogo começou melhor para os escoceses, com o golo de Gemmel aos 30 minutos. Mas Rinus Israel, que saía da sua zona defensiva com o à-vontade de um rapazinho apanhando miosótis num campo de gipsófila, tratou de empatar três minutos depois. A batalha foi dura. O jogo teve momentos abertos e fisicamente exigentes. As duas equipas comparavam-se. Johnstone, McNeill e Lennox eram fantásticos. O prolongamento tornou-se previsível, primeiro, e inevitável, depois. E seria ao minuto 116 que Kindvall, Bengt Ove Kindvall, sueco de Norrköping, que marcou 129 golos em 144 jogos pelos de Roterdão, assinou o mais importante de todos os 129. O que deu ao Feyenoord, ainda Feijenoord, e à Holanda, a primeira Taça dos Campeões Europeus e a primeira de uma série de quatro consecutivas porque, no ano seguinte, iniciou-se o reino do formidando Ajax de Cruyff, Neeskens e tudo e tudo.

Talvez os 15 títulos de campeão holandês deixem o Feyenoord a uma distância abissal dos seus grandes rivais de Amesterdão, que somam 34. Mas aqueles que nasceram com nome de rainha souberam ser, com orgulho, reis da Europa.

 

Ler Mais

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×