21/10/19
 
 
Mário Bacelar Begonha 02/10/2019
Mário Bacelar Begonha

opiniao@newsplex.pt

As três instituições que não são democráticas

Há partidos, no nosso Parlamento, que apoiaram o Governo do P.S., que têm para eles, um modelo de educação, completamente diverso do vigente. 

A grande questão da dita “DEMOCRACIA” é que tem que lidar com algumas pessoas iletradas e que sabem tudo sobre futebol profissional e zero de Política, mas o voto dessas pessoas vale o mesmo que o voto de um académico. Esta a primeira dificuldade.

A segunda, é que a Democracia acolhe no seu “seio”, três Instituições que não são Democráticas, são elas: a Igreja Católica, as Forças Armadas e o Partido Comunista, isto porque têm uma estrutura vertical, e não horizontal, como existe em Democracia, e, históricamente, de tempos a tempos, cada uma à sua maneira, tentam influenciar, umas vezes ameaçando e outras derrubando, ou tentando derrubar, o Poder Político, pelas Armas, como tentou o Partido Comunista Português em 25/Nov/75.

Curiosamente o “25 de Abril de 1974”, segundo alguns dos seus promotores, todos militares de carreira, oriundos da Academia Militar, foi “feito” para implantar uma Democracia, ou seja, uma Instituição não Democrática, faz uma revolução com armas, para implantar uma Democracia!.

No mínimo é anedótico. Mas é preciso perceber que esse “conceito”, para alguns, é subjectivo, ou seja, cada qual interpreta conforme a sua cultura académica, religiosa, ou política, e por isso, o Líder do “P.C.P.” afirma no Parlamento, sem se rir, que é “democrata e patrióta”, só não sabemos se já o era no “25 de Novembro de75”?1?.

Significa isto uma grande confusão de ideias, ou, talvez melhor, uma falta de integridade de carácter (Fidelino de Figueiredo), o que leva a uma Desonestidade Intelectual, por parte de muitos membros da Classe Política e de várias Instituições que fazem parte da nossa “Democracia”.

Tudo isto, e não só, ajuda a degradar a qualidade da nossa frágil Democracia, já que muitos cidadãos denominam, Partidos Totalitários e Autocráticos, que querem um regime anti-Democrático para Portugal, de democráticos. Não sendo alguns desses cidadãos iletrados, então em vez de ignorantes, eles são perversos e usam de má-fé. E um agora até se diz Social-Democrata. Mas como é que será possível conviver, democraticamente, com pessoas que nos querem impor uma Ditadura e que estão no nosso Parlamento, alguns, quiçá, tendo assinado a declaração do “27.003”?1?.

Só o “Diabo” poderá responder a esta e outras perguntas que, até agora, nenhuma Faculdade Estatal, de Ciência Política, conseguiu.

Então vamos colocar a questão de outra maneira: será que o “P.C.P.” combatia a “Ditadura” que existiu em Portuga, de1933 até 1974, para implantar uma Democracia?, ou pretendia impor, pelas armas, uma “Ditadura Democrática”?!?. Mas o problema é que essa nomenclatura não vem nos Tratados de Ciência Política que circulam no mundo ocidental.

Há partidos, no nosso Parlamento, que apoiaram o Governo do “P.S.”, que têm para eles, um modelo de educação, completamente diverso do vigente, mas mesmo assim dizem que apoiam o Governo, ou será apenas uma questão táctica?.

Os comunistas confessos, franceses, Gerard Vinnai, Laurent Barrans e Faure mostram-se muito incomodados com as apostas múltiplas, no Futebol Profissional, porque, dizem, além de outras coisas, que é indigno apostar em pessoas como se faz com animais.

Enfim, Partidos que nunca ratificaram qualquer Convenção sobre “Direitos do Homem”, e que de facto nunca os respeitaram, fingem-se agora preocupados com a dignidade da Pessoa Humana.

Só lamentamos que um partido Social Democrata, com o qual temos algumas afinidades, tenha necessidade de “acolher” no seu “seio”, pessoas que não são democratas e que não têm esses genes no seu “A.D.N.”.

Às vezes as maiorias trazem surpresas, veremos.

Sociólogo

Escreve quinzenalmente

 

 

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×