18/11/19
 
 
Legislativas. André Ventura suspende campanha em "prol dos polícias"

Legislativas. André Ventura suspende campanha em "prol dos polícias"

29/09/2019 16:16

O líder do Chega acusou ainda Assunção Cristas de ter ‘medo da esquerda’.

Em “homenagem” e por “respeito” a “mais um polícia brutalmente agredido” em Rio de Mouro, André Ventura decidiu suspender todos os atos de campanha do Chega previstos, para este domingo, em Lisboa e Loures. Num comunicado enviado ao i, o dirigente considerou que “esta é a única forma de chamar atenção do país” para o “vergonhoso tratamento que é dado às forças da ordem em Portugal”. André Ventura deixou ainda críticas ao Governo por nem “sequer ter a preocupação” de “compreender o fenómeno”.

CDS tem 'medo da esquerda' Insistindo na ideia de que “Assunção Cristas tem uma obsessão com o Chega”, André Ventura, num outro comunicado enviado ao i, acusou ainda o CDS de ter “medo do sistema, da esquerda e do politicamente correto” e que, por isso, o “Chega engolirá muito em breve" o partido centrista e "toda a Direita”.

O cabeça-de-lista por Lisboa do partido fundado este ano vincou que o “CDS está preso ao politicamente correto” e que “prefere falar em racismo, xenofobia e em estereótipos habituais que povoam o discurso da esquerda”. Estas críticas surgem como resposta às declarações prestadas pela dirigente centrista que,  numa entrevista à RTP, afirmou trabalhar “todos os dias” para que o seu partido” tenha “o melhor resultado possível e para que não haja nenhum deputado eleito” do partido de André Ventura no Parlamento. 

O fundador do Chega também apontou o dedo a Cristas por estar a “matar outros projetos políticos” em vez de “apresentar um projeto de governo para o país” ou “propostas para melhorar a vida dos portugueses”. 

O ex-vereador do PSD da Câmara Municipal de Loures argumentou ainda que, na sua opinião, a dirigente centrista “odeia” o Chega “porque, desde Loures em 2017, que a comunidade cigana se tornou uma linha vermelho intransponível” entre ambos.  “Se Cristas não reconhece que existe um problema em Portugal com a comunidade cigana, não vive no mesmo país que eu”, apontou André Ventura, salientando que “os ciganos (...) vivem maioritariamente de subsídios e não se revêm nas regras do estado de direito”. 

 

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×