5/7/20
 
 
Aquecimento. Por que razão não podemos passar os 1,5 ºC?

Aquecimento. Por que razão não podemos passar os 1,5 ºC?

AFP Joana Marques Alves 23/09/2019 22:28

Estudo publicado na revista Science mostra as diferenças entre manter o aquecimento global nos 1,5 ºC e nos 2 ºC.

Estamos sempre a ouvir que o aquecimento global não pode passar a barreira dos 1,5 ºC. Mas porquê? Se chegar aos 2 ºC ou aos 3 ºC, o cenário será muito pior? Um estudo publicado, na semana passada, na revista Science mostra o que está em causa.

O estudo, realizado por especialistas de várias universidades, mostra as diferentes consequências de um aquecimento global de 2 ºC, nomeadamente o risco de cheias fluviais e de aumento – quer na quantidade, quer na intensidade – de ciclones.

O documento alerta ainda para que o risco de inundações nas zonas costeiras, de “eventos climáticos extremos”, de “escassez de água” e de “disseminação de espécies invasoras” será menor se o aumento da temperatura global não ultrapassar os 1,5 ºC.

Outra das questões abordadas neste estudo é o impacto desta pequena (grande) diferença na biosfera. “O número de espécies que perdem pelo menos metade das suas áreas geográficas determinadas pelo clima é consideravelmente menor se o aquecimento global se mantiver nos 1,5 ºC. Além disso, a perda de espécies e os riscos de extinção são bastante menores com 1,5 ºC do que com 2 ºC”, descreve o relatório.

Os especialistas fazem ainda uma análise dos efeitos desta diferença na vida dos seres humanos. Além de questões como a subida do nível do mar, a falta de espaço para habitar e o calor insuportável com o qual terá de lidar, o homem vai ter de enfrentar um mal que já existe, mas que poderá tornar-se global: a fome. No documento, é possível ler que “limitar o aquecimento aos 1,5 ºC irá resultar numa menor redução nas produções de milho, arroz, trigo e outros cereais”. O crescimento do aumento da temperatura para os 2 ºC também irá levar à “perda de 7 a 10% dos terrenos de pastagem a nível global”, um cenário mais negro do que o projetado caso seja possível conter o aquecimento.

O estudo aponta ainda para as diferenças que podem ocorrer em termos de saúde da população: “Limitar o aquecimento global aos 1,5 ºC fará com que existam menos 420 milhões de pessoas expostas frequentemente a ondas de calor “extremas” e menos 65 milhões expostas a ondas de calor “excecionais”. Questões como a subnutrição e a exposição a doenças contagiosas também podem ser influenciadas por esta diferença.

A investigação foca ainda os efeitos que o aquecimento acima do esperado pode ter no turismo, com alterações no clima a poderem colocar em causa a “atratividade e/ou segurança de certos destinos”.

“Vários fatores mostram-nos que o mundo enfrenta vários riscos com a temperatura a subir 1,5 ºC. Estes são ainda maiores com um crescimento para os 2 ºC. Vivemos num momento crítico na história do homem em que as ações tomadas hoje irão certamente minimizar os impactos perigosos em centenas de milhões de pessoas”, concluem os especialistas.

 

Ler Mais

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×