25/11/20
 
 
Ana Pedrosa-Augusto. “Os políticos não podem estar fechados nos gabinetes”

Ana Pedrosa-Augusto. “Os políticos não podem estar fechados nos gabinetes”

Mafalda Gomes Luís Claro 19/09/2019 10:33

Ana Pedrosa-Augusto garante que, até entrar no Aliança, não se identificava com nenhum partido. É conhecida por ser advogada da cantora Madonna, mas esse “é tema tabu”.

Ana Pedrosa-Augusto entrou na política há menos de um ano e defende que são precisas ideias novas “num país que é avesso à mudança”. A advogada foi convidada para integrar as listas às legislativas, mas prefere não dar ainda esse passo. “A minha profissão é aquilo que me dá brilho nos olhos”, diz. 

Já tinha tido alguma atividade política antes de se juntar ao Aliança?

Zero. Nenhuma.

Como surgiu o convite para vice-presidente do Aliança?

Senti que estava na hora de participar num projeto em que me enquadrasse. Há uma tentativa de limitar a iniciativa privada e isso é algo que me transtorna muito. Não é esse o caminho que devemos seguir. 

Identificava-se com algum dos partidos em atividade?

Não. Não me sentia representada politicamente. Não me identificava com nenhum partido. 

Pesou na sua decisão o facto de o Aliança ser um partido novo?

É muito importante ser um partido novo porque é a única forma de trazermos algo diferente e com ideias novas. Faz falta um olhar fresco sobre as coisas. 

Mas, ao contrário do que aconteceu noutros países europeus, os partidos tradicionais continuam a dominar... 

Somos um país muito avesso à mudança e com muita dificuldade em perceber que, às vezes, é preciso acordar e fazer algo novo e diferente, mas credível e sério. 

Tinha uma ideia negativa dos políticos antes de entrar para o Aliança? 

Quem está fora da política tem, invariavelmente, uma ideia negativa dos políticos. Estes meses mostraram-me que fazer política é extremamente difícil. Temos uma postura séria, olhamos para as coisas e fazemos propostas credíveis. Isso dá muito trabalho. No Aliança, todas as pessoas têm a sua atividade profissional e, de repente, estamos a pensar um modelo de país. Isso não é simples. Estamos a falar de pessoas que têm as suas vidas e que encaram isto como uma missão. Só posso louvar as centenas de pessoas que todos os dias trabalham e vão para a rua para dar a conhecer o Aliança, apenas e só pela força de lutar por aquilo em que acreditam. Não temos mais nada a oferecer do que os nossos valores. Contamos apenas com a vontade, sonho e disponibilidade de cada um. 

Olha hoje para a classe política de uma forma diferente?

Esta experiência serviu para ter uma ideia do trabalho que é preciso ter e da estrutura que isso implica. Tenho hoje um respeito renovado pela classe política. O que condeno é o distanciamento que a classe política acaba por ter em relação à população que representa. É preciso estar ligado às pessoas e isso não é possível se estivermos fechados num gabinete partidário. 

Gostaria de ser deputada?

O partido honrou-me com esse convite, mas não sou candidata. Sou advogada e a minha profissão é aquilo que me dá brilho nos olhos. É aquilo que me dá vontade de acordar todos os dias e sinto que faço bem o meu trabalho. 

E ser deputada não a entusiasma?

Ser deputado é exigente. É um cargo em que tem de se ser excelente e ainda não tenho essa experiência e conhecimento. Não seria, hoje, a melhor pessoa para essa função, que tem uma dignidade imensa. Estar naquela casa a analisar e a debater o futuro de cada um de nós deve ser um trabalho muito apelativo. 

Ficou desiludida com o resultado do Aliança nas europeias?

Somos otimistas, mas somos realistas. Apostamos no mérito e isso é algo que esperamos que os eleitores percebam. Queremos as melhores pessoas para cada momento. Não basta ter uma cara conhecida ou alguém que aparece a fazer comentários sobre futebol. Levamos isso muito a sério.

Contam eleger deputados nas eleições legislativas?

Temos a expetativa de eleger um grupo parlamentar. E aí queremos ser a voz do que ouvimos tanta vez na rua. As pessoas dizem-nos: “Sejam a nossa voz, sejam vocês a voz da oposição”. 

A oposição da direita tem sido fraca?

Chamar-lhe oposição é algo muito difícil. Dizem que a esquerda ocupou o discurso da direita, mas não vejo isso dessa forma. O que existe é uma esquerda que quer implementar uma moral e uma forma de estar que não representam a maioria dos portugueses, mas este Governo entendeu ceder nessa frente para conseguir governar. E temos uma direita que não consegue assumir-se e que tem muito medo. Tenho a sensação que passam mais tempo a discutir o seu quintal do que os problemas do país. Não diz aquilo que é preciso dizer sem medos. 

Onde vê o medo da direita?

Parece que têm medo de dizer às pessoas aquilo que pensam. Nós não temos medo de dizer aquilo que somos e aquilo que achamos que deve ser um país a sério. Temos medidas que se preocupam com as pessoas e com aquilo que é viver com dignidade neste país. Viver com acesso à saúde, à educação, à justiça...

Isso é o que querem todos os partidos...

Há uma diferença entre esquerda e direita. A esquerda tem uma perspetiva de nivelar por baixo. Não se preocupa com o rigor, a ambição, a excelência, o crescimento... A direita, que não se assume como direita, não sabe bem onde vai. Tem medo de dizer que é liberal e vive presa ao passado. Nós não temos essas amarras. 

Mas este Governo do PS com o apoio da esquerda parece ter a simpatia das pessoas. É por falta de alternativa que aparece à beira da maioria absoluta?

Poderá ter maioria absoluta. Temos um grave problema de abstenção. As pessoas já não querem saber e temos de mostrar que é preciso querer saber. 

Tem receio de uma maioria absoluta do PS?

Honestamente, não sei se é pior uma maioria absoluta do Partido Socialista ou uma nova geringonça. Tenho muito medo de uma nova geringonça. Pessoalmente, acho que é pior uma nova geringonça. Tenho muito receio da imposição moral, da tentativa permanente de destruição de valor que tem esta extrema-esquerda que apoia o PS. Assusta-me muito ficar refém da extrema-esquerda. 

A direita está a viver um momento difícil. Julga que ainda está a pagar pelas medidas de austeridade que aplicou no tempo da troika?

Há várias razões. A direita teve de implementar medidas de austeridade para sobrevivermos e está a ultrapassar uma crise de valores. Não soube dizer o que quer e continua sem saber. E também houve uma incapacidade da direita em unir-se em torno daquilo que é mais importante para o país. 

O país foi confrontado com vários casos de corrupção. Até que ponto estes processos, que envolvem uma parte da elite política e financeira, afetam a vida política e a credibilidade do país?

Têm toda a influência. Infelizmente, temos uma justiça que é lenta. Temos megaprocessos que são praticamente ingeríveis. Demoram muito tempo e as pessoas acabam por ser julgadas na praça pública antes de haver um julgamento efetivo. E depois temos uma comunicação social que empola muito estes julgamentos em praça pública e as pessoas ouvem e dizem: “É tudo a mesma coisa, são todos corruptos”.

Mas quando se trata, por exemplo, de um ex-primeiro-ministro, é impossível ignorar...

Por isso é que a justiça tem de funcionar de forma célere. Tem de haver uma forma de a justiça ser rápida e eficaz. A morosidade da justiça é um dos piores problemas que temos em Portugal. É uma das razões de não existir mais investimento estrangeiro em Portugal.

O que não funciona?

Temos falta de recursos humanos e poucos meios de investigação. Temos de reconhecer que há um problema para, a seguir, encontrar as medidas para resolver esse problema. É preciso desburocratizar, simplificar, eliminar papel, eliminar recursos desnecessários e pouco eficientes. As taxas de justiça são muito elevadas, mesmo para processos que envolvam valores muito baixos. 

Concorda com a ideia de que existe uma justiça para ricos e outra para pobres?

Isso é uma coisa fácil de dizer. Quem menos tem depende daquilo que o Estado lhe faculta. Quem tem mais pode pagar um atendimento privado. Nós somos liberais, mas o Estado tem de ser forte para proteger os fracos.

Mas o Aliança quer um Estado mais pequeno?

Tem de ser muito mais pequeno. Não somos a favor, por exemplo, de manuais gratuitos para todos. Há pessoas que podem pagar. Acho curioso que o PCP queira creches gratuitas para todos. Como é que um partido de esquerda consegue dizer que os ricos não têm de pagar a creche? Temos de ter um Estado que protege quem precisa. É aí que o Estado tem de ser forte. As pessoas conseguem fazer a sua vida mas, para isso, têm de ser livres. É preciso deixar as pessoas respirarem. A educação tem de ser excelente, mas passamos a vida a nivelar por baixo. Precisamos de pessoas que queiram ser as melhores e isso é algo que não é incutido na escola. A escola serve para os professores estarem afundados em burocracia e são obrigados a esquecer aquele que é o seu papel fundamental. A escola tem de ser o elevador social. 

Ser advogada da cantora Madonna tem influenciado a sua vida profissional?

Não. 

Conhece pessoalmente a Madonna?

Não falo de clientes. É tema tabu. 

Ler Mais


Especiais

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×