21/10/19
 
 
Alojamento. De camaratas a ofertas de luxo: há ofertas para todos os gostos e preços

Alojamento. De camaratas a ofertas de luxo: há ofertas para todos os gostos e preços

Sónia Peres Pinto 12/09/2019 19:32

Residências universitárias, quartos de luxo, individuais ou partilhados. Estas são algumas das várias soluções que os estudantes têm ao seu dispor no momento de escolher o alojamento. A escolha depende do gosto e, acima de tudo, do orçamento que tem disponível. Mas se há quem dê valor aos extras, como ginásios ou salas de cinema, há outros que obrigatoriamente têm de optar apenas por uma cama para dormir, mesmo que para isso, seja obrigado a pagar valores elevados.

Encontrar casa ou quarto a preços acessíveis é uma missão quase impossível. E o negócio do alojamento para estudantes continua a estar na ordem do dia e ganha maior relevo no arranque de mais um ano letivo. As queixas são transversais: é quase impossível acompanhar o ritmo dos aumentos dos preços.

O que é certo é que arrendar quartos, imóveis ou partilhar casas continua a ser a tendência com maior peso para quem vai estudar para fora da sua residência. Mas nem sempre a tarefa é fácil. A procura é grande, a oferta também, mas nem sempre os preços são acessíveis a todas as carteiras. O i fez uma ronda a vários anúncios e rapidamente se chega à conclusão que com menos de 500 euros, principalmente em Lisboa é quase impossível encontrar um quarto. Se o orçamento tiver de ser obrigatoriamente mais baixo então terá de optar por um quarto partilhado e aí terá dividir esse espaço com mais três ou cinco estudantes, mas nem sempre nestas situações o preço fica mais acessível. No entanto, tem a vantagem da maioria das despesas – como água, luz e internet – estarem incluídas. Também para quem procura um imóvel o cenário não é animador, já que os preços não param de crescer.

De acordo com a Uniplaces, plataforma online de alojamento destinado a estudantes, o valor médio das rendas cobradas a estudantes ronda os 399,56 euros, em Lisboa, uma subida de 7,6% em relação a igual período de 2018, enquanto no Porto os preços médios descem para 299,16 euros, tendo também verificado um aumento de 5,6% face ao período homólogo.

Segundo a plataforma, Arroios mantém-se a zona onde mais reservas são efetuadas na capital, tanto por estudantes portugueses como de outras nacionalidades. Já no Porto, são as zonas de Paranhos, Cedofeita e Bonfim as mais procuradas pelos estudantes nacionais e internacionais (ver páginas 24 e 25). A facilidade de acessos, diversidade de transportes públicos e proximidade às universidades são fatores determinantes na escolha do bairro onde os estudantes arrendam casa ou quarto, e que reflete também as zonas onde mais arrendamentos são feitos, Isto significa que as rendas médias nas zonas mais procuradas acabam por sofrer um ligeiro aumento nestes primeiros meses do ano, influenciado sobretudo pela disparidade existente entre a procura e a oferta.

Procura dispara Também o site OLX admite ao i que, desde o início do ano, o número de contactos quase que duplicou. Se em janeiro tinham sido feitos 64 mil, contactos, em agosto esse número disparou para mais de 113 mil. Ainda assim, tanto num caso como no outro representa um aumento face ao ano anterior.

Lisboa é o distrito a agregar 50% da oferta com 766 anúncios ativos este mês. seguido do Porto (14% com 216 anúncios), Setúbal (8% com 128 anúncios), Coimbra (7% com 102 anúncios) e Faro (4% com 57 anúncios).

Em Lisboa os valores rondam os 324 euros, ainda assim uma redução face aos 345 euros que eram praticado no ano passado. Já no Porto, os valores situam-se nos 273 euros, uma ligeira redução face aos 280 euros praticados em 2018.

Esse aumento da procura também é reconhecido pela plataforma Imovirtual. Ao i, fonte da empresa garante que existiu um “aumento de 78,1% de utilizadores únicos à procura de quarto para arrendar, entre março e agosto deste ano face a igual período do ano passado. Também passamos de 21652 utilizadores únicos em 2018 para 38555 em 2019”, salienta.

Só no mês de agosto, esta plataforma contava com uma média de 480 quartos para arrendar. No entanto, fonte da empresa garante que estamos a assistir a uma redução do preço médio nacional face ao ano anterior. Se em 2018, os valores rondavam os 261 euros, este ano está fixado em 235 euros.

Mas se centrarmos as atenções nas grandes cidades claramente percebemos que os preços praticados ficam longe desta média nacional. Em Lisboa a média ronda os 410 euros quando, no ano passado, os preços estavam nos 495 euros. O mesmo cenário repete-se no Porto: os valores estão fixados nos 380 euros quando, em 2018, rondavam os 394 euros.

Ofertas e preços de luxo Mas também é possível encontrar casos em que os candidatos ao Ensino Superior procuram encontrar respostas de luxo. E encontram, num mercado que parece não parar de crescer. Um desses casos é o alojamento de luxo encontra-se no Marquês de Pombal, em pleno coração de Lisboa. “Brilhante, leve e luxuoso. Cuidadosamente projetado e impecavelmente acabado – repleto de uma variedade de características inigualáveis – os nossos alojamentos de luxo para estudantes são criados com apenas os alunos mais seletivos em mente” é desta forma que esta opção de alojamento é caracterizada. O mercado brasileiro, a par do espanhol são as principais apostas.

O que é certo é que escolher esta opção é ter acesso a sala de fitness, piscina e cinema, club lounge com sala de jantar, biblioteca e várias zonas de estudo. Por exemplo, ficar num estúdio custa 182 euros por semana, o mais barato disponível no site, fora a taxa de reserva que é de 250 euros. Já escolher ficar num estúdio de luxo pode custar 260 euros semanais, mais a reserva.

Uma outra opção passa pela Smart Studios que disponibiliza vários tipos de alojamentos: desde T1 superior a 755 euros por mês a T2 smart a 785 euros por mês. No entanto, conte com custos extras. Por exemplo, uma smartTV custa 16 euros mensais, um kit cozinha individual custa 50 euros já um kit roupa de cama individual fica em 106 euros. Mas pode chegar aos 810 euros por mês se optar pelas zona das Janelas Verdes.

Outra alternativa é o Chalet Julia, na Parede, perto do campus de Carcavelos. Os preços estão fixados nos 195 euros por semana para um T0, mas se tiver um convidado terá de pagar mais 50 euros. Mas se optar apenas por um quarto, o valor desce e pode variar entre os 140 e os 165 euros semanais.

Este tipo de opções tem já vários adeptos, ao ponto de a Nova SBE - School of Business & Economics, em Carcavelos, ter 122 quartos mas, ainda assim, disponibilizar parcerias com algumas das novas empresas que se dedicam a oferta de experiências de luxo aos estudantes, como o Collegiate Marquês de Pombal e o Chalet Julia. Ainda assim, estamos a falar de valores inferiores que vão desde 250 a 500 euros mensais.

 

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×