21/9/19
 
 
Humor. Está o fact-checking a ir longe demais?

Humor. Está o fact-checking a ir longe demais?

Bruno Gonçalves Francisco Paulo Carvalho 11/09/2019 20:03

Nos últimos dias, uma verificação de um site de notícias parceiro do Facebook a um conteúdo de uma página satírica lançou a polémica: deve o humor ser analisado por sites de fact-checking?

O humor, para o Facebook, é igual às fake news? Há ou não espaço para as páginas de sátira nesta rede social? Recentemente, um site português parceiro do Facebook fez um fact-checking de uma notícia avançada por um jornal que se identifica de forma clara como sendo satírico – o seu nome, Imprensa falsa, não deixa, aliás, margem para qualquer dúvida. A peça humorística que o site de fact-checking Polígrafo foi verificar se era verdadeira ou falsa tinha o seguinte título: “Brasil recusa apoio do G7 para os incêndios: Câmara de Pedrógão oferece-se para ficar com a verba e distribuir”. Depois da análise, este site concluiu o óbvio: a notícia era falsa, atribuindo-lhe assim a classificação “Pimenta na língua”.

O diretor do Polígrafo defende que esta é uma prática internacional, referindo que o mais importante é impedir a desinformação das pessoas. Já o fundador do Imprensa Falsa lança duras críticas. Lembra que isso pode prejudicar as interações da sua página de Facebook e refere que, na prática, está em causa um ato que tem como consequência atacar a liberdade de expressão. Do lado do Facebook, a resposta dada ao i é clara: há espaço na rede social para a sátira, tendo apenas de se combater fenómenos em que as fake news se mascaram de humor em sites não totalmente identificáveis. O que o Facebook não respondeu é qual o efeito que avaliações como a do Polígrafo ao Imprensa Falsa acabam por ter no algoritmo e se, por conseguinte, estes projetos de humor acabam ou não prejudicados.

Este caso tem levantado várias questões. Até que ponto faz sentido fazer fact-checking a conteúdos que se assumem abertamente como sátiras, como humor? Deve este tipo de conteúdo ser avaliado como se fosse fake news? Quais serão os limites do humor nesta rede social?

O Polígrafo é um dos primeiros projetos portugueses de fact-checking. Foi criado e apresentado na Web Summit que decorreu em novembro passado e foca-se habitualmente na verificação de factos de notícias relativas a políticos, comentadores e influenciadores. Como o nome indica, é um verificador da veracidade de notícias, um detetor de mentiras que procura combater a expansão da desinformação e das fake news. O jornal online tem, por isso, uma parceria com o Facebook para que quando alguém denuncia certo tipo de conteúdo nessa rede social, o mesmo possa analisar o caso.

Polígrafo concluiu que notícia do Imprensa Falsa era Falsa No passado dia 3 de setembro, o Polígrafo fez uma das suas habituais verificações de conteúdo a uma notícia mas, pela primeira vez, a análise recaiu sobre uma matéria de um site de humor nacional. Na notícia, publicada no dia 27 de agosto pelo Imprensa Falsa, podia ler-se que “depois de o Brasil recusar a ajuda dada pelos países do G7, a Câmara de Pedrógão Grande chegou-se à frente e ofereceu-se para ficar com a verba, tudo com o objetivo de a distribuir justa e equitativamente.”

O artigo de humor conta que a personagem fictícia Valdemar Simplício, “autarca de Pedrógão”, terá aparecido de surpresa em Biarritz, comuna francesa onde se realizou a cimeira do G7, para fazer esse pedido, sendo de seguida retirado pelos seguranças. O suposto autarca, que tem em comum com o verdadeiro presidente da Câmara de Pedrógão Grande o primeiro nome, teria dito à saída: “[O dinheiro] é para distribuir, seus ditadores, vocês não querem é dar nada, só querem ficar bem nas notícias”. No texto satírico, a mesma fonte dá ainda nota de uma conversa privada entre Donald Trump e Angela Merkel em que o Presidente dos Estados Unidos se terá questionado sobre quanto custaria comprar Pedrógão Grande.

Este conteúdo foi denunciado como falso por vários utilizadores ao Facebook e, tendo por base a parceria com esta rede social, o Polígrafo procedeu ao fact-checking deste conteúdo. O site concluiu que, apesar de a “publicação partir de informação verdadeira – o facto de o presidente do Brasil ter recusado um apoio do G7 no valor de 20 milhões de dólares (18,2 milhões de euros), na sequência de declarações do Presidente francês, Emmanuel Macron” –, trata-se, “obviamente, de uma falsidade”. Refere ainda que o nome do presidente da autarquia de Pedrógão é Valdemar Alves, e não Valdemar Simplício, que não só não se terá deslocado a Biarritz como não terá desencadeado nenhum dos episódios referidos.

No fim da sua análise, o Polígrafo classificou este conteúdo como “Pimenta na língua”, que na sua escala de avaliação é “o grau máximo de falsidade”: “Esta classificação só é atribuída quando a informação avaliada é escandalosamente falsa ou é uma sátira, publicada num espaço satírico”. Já na escala do Facebook, o site avaliou este conteúdo como uma “Sátira”, dado que “o conteúdo é publicado por uma página ou um domínio que é reconhecido por publicar sátiras ou um caso em que uma pessoa sensata percebe que o conteúdo é irónico ou humorístico e que tem uma mensagem social. Poderá beneficiar, ainda assim, de contexto adicional”.

Mas sendo o site uma página declaradamente humorística, faz sentido o parceiro do Facebook atribuir-lhe a classificação “Pimenta na língua”?

Este site autointitula-se como um “jornal satírico líder na desinformação em Portugal”. De resto, o próprio Polígrafo vai referindo isso mesmo ao longo do seu artigo, o que não invalida que exista uma certa controvérsia à volta de uma avaliação realizada a um site que assume abertamente estar a produzir conteúdo humorístico.

Polígrafo diz que este tipo de projetos se descredibiliza por si Em declarações ao i, Fernando Esteves, diretor do Polígrafo, afirma que o que está na base da avaliação a sátiras, que começou a ser feita no início de agosto, é algo que já é feito noutros países. “Fizeram-se muitos estudos a nível internacional nesta área da propagação da desinformação na internet e chegou-se à conclusão de que as sátiras são genericamente mais partilhadas do que os restantes conteúdos. As pessoas, em média, por terem um nível de literacia mediática baixa, partilham mais um artigo sátiro que outro conteúdo, porque leem o título sem ver o seu conteúdo”.

Segundo Fernando Esteves, “a sátira política tornou-se um problema em termos de desinformação” e, hoje, os grandes distribuidores de informação, como o Facebook e a Google, viram-se obrigados a escolher entre “o direito à liberdade de expressão em moldes satíricos e o dever de impedir a desinformação”.

“Chegaram à conclusão que o mais importante era proteger as pessoas da desinformação”, acrescenta o diretor deste site dedicado ao fact-checking.

Fernando Esteves concorda que fazer a mesma avaliação a páginas satíricas e a páginas de fake news “pode ser potencialmente injusto para os produtores de sátiras, mas aqui coloca-se a questão do bem maior: protegê-los, ou proteger a população da desinformação?” E responde: “Eu escolho a segunda”. Contudo, o diretor do Polígrafo considera que este tipo de projetos “já estão descredibilizados à partida, pois vivem e alimentam-se da descredibilização. São projetos que fazem informação que não é credível”.

Imprensa Falsa fala de falta de competência e inteligência José Pedro Silva, fundador do Imprensa Falsa e autor do texto analisado, lança duras críticas à atuação do Polígrafo. Em declarações ao i, afirma que “o problema não é a avaliação, a avaliação é sempre ridícula”. E acrescenta: “A partir do momento em que se pega num conteúdo que é criação artística e literária, de humor, e se faz esta avaliação, coloca-se esse conteúdo ao mesmo nível do resto, e isso é evidente que prejudica”.

O fundador deste projeto satírico diz que esta avaliação “não se trata de um ataque à liberdade de expressão, mas tem esse resultado”. Tudo “feito pela incompetência pura e incapacidade de fazer uma missão que é da maior importância que é, no fundo, meter ordem na informação que passa nas redes sociais”, explica, concluindo que “ao ser-se incompetente no incumprimento dessa missão, provoca-se um dano”.

A cara por detrás do Imprensa Falsa vai ainda mais longe: “Eu estaria descansado se as pessoas que fazem essa triagem tivessem a competência e a inteligência para o fazer. Aí perceberiam que não se pode avaliar a veracidade de uma coisa que é manifestamente humorística e que está assim identificada em todo o lado”.

José Pedro Silva discorda de Fernando Esteves em relação a o seu trabalho ser descredibilizado logo à partida, referindo que o seu trabalho “é sério”: “É sério, porque é humorístico. Se digo abertamente que é humorístico, estou a fazê-lo seriamente”.

Este produtor de conteúdos satíricos considera que a avaliação de “Pimenta na língua” “é calar”: “Significa que é uma sanção e significa que é para não se continuar a falar, é uma censura”.

“Eu tenho sempre uma preocupação, a de que as coisas estejam claramente identificadas. O próprio nome do meu site é propositado para as pessoas perceberem que o que dizemos é satírico”, conclui.

Facebook Quer que a Sátira tenha espaço na rede social O i entrou em contacto com o Facebook, com o qual o Polígrafo tem parceria, e questionou-o sobre este tipo de avaliações a conteúdos satíricos. Segundo fonte oficial, “há definitivamente espaço para a sátira no Facebook”: “E o nosso programa de fact-checking permite que os verificadores de factos avaliem algo como sátira ou opinião”. O Facebook, aliás, separa as águas entre humor e fake news e explica que é preciso ter sempre em conta a seguinte questão: “Será que quando as pessoas leem uma sátira a entendem como tal?”

Em declarações ao i, a rede social de Mark Zuckerberg afirma que “há uma grande diferença entre sites que partilham histórias que são facilmente identificadas como sátiras e sites que se autoidentificam como sátiras para dar cobertura aos seus esforços de espalhar desinformação”. E conclui: “Nós queremos permitir o primeiro e impedir o segundo, e isso continua a ser um desafio, especialmente com fotos e vídeos”.

Quanto à forma como o Imprensa Falsa se apresenta, não parecem haver dúvidas de que é abertamente uma página de humor – assume-se logo à partida como um jornal satírico e identifica o seu conteúdo como humor, escolhendo um nome que dá desde logo aos leitores essa mesma ideia.

 

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×