11/11/19
 
 
"O Dr. Pardal Henriques não tem condições para continuar a liderar este conflito"

"O Dr. Pardal Henriques não tem condições para continuar a liderar este conflito"

José Luís Batalha Cristina Rita 17/08/2019 12:30

Líder da UGT diz que  é favor da luta à mesa das negociações e admite que os portugueses apreciam exercícios de autoridade, o que pode dar votos ao PS.

O secretário-geral da UGT, Carlos Silva, faz uma avaliação do braço-de-ferro entre o sindicato nacional de motoristas de matérias perigosas e a ANTRAM e adverte que houve radicalização do discurso. A solução é sempre o «diálogo social» e não poupa o registo de Pardal Henriques, o assessor jurídico do sindicato: «O Dr. Pardal Henriques não tem condições para continuar a liderar este conflito». No final de todo este processo, o dirigente sindical admite que a forma como o Governo geriu todo o conflito lhe traga mais votos em outubro.

«Os portugueses apreciam o exercício de autoridade quando é bem exercido e, portanto, parece-me que aqui o Governo consegue alguns milhares de votos para outubro. Mas isso só se saberá no dia 6 de outubro», afirmou ao SOL o responsável sindical. 

As centrais sindicais ficaram fora da turbulência dos últimos dias e há um dado que merece reflexão: o país assistiu a um braço-de-ferro entre um sindicato fora das estruturas tradicionais e os patrões. Para Carlos Silva «há sindicatos e sindicatos. Nós preferimos que a luta seja feita à mesa das negociações. Há quem tenha entendido que a reivindicação pura e dura, o radicalismo, o excesso de linguagem podem trazer dividendos. E devo dizer que os portugueses não gostam disso», advertiu o dirgigente sindical. 

Apesar de considerar que a «requisição civil é sempre inimiga da greve» - e tem sido sempre essa a posição da UGT, Carlos Silva alinha na ideia defendida esta semana pelo PCP, sobre a forma encontrada pelo sindicato de motoristas de matérias perigosas para protestar: «Esta greve veio prejudicar mais os portugueses do que patronato, acabam por dar algumas armas para se poder impor uma alteração à lei da greve». O partido comunista atacou as eventuais tentativas à limitação da greve, mas acrescentou que a forma como a luta se estava a desenrolar, acabava por não atingir os seus objetivos, atingindo mais a população em geral do que os patrões. Para Carlos Silva é raro concordar com o PCP, mas desta vez, alinha nesta ideia do comunicado emitido pelo partido, liderado por Jerónimo de Sousa.

Ao revisitar o papel da UGT dos últimos 40 anos, Carlos Silva coloca a sua central sindical do lado da moderação, do diálogo social, e lembra acordos difíceis, em condições «extraordinárias» como as de 2012, na concertação social, em plena assistência financeira externa ao país. Este exemplo serve para sublinhar que não é pelo radicalismo, segundo a UGT, quase resolvem os problemas, por mais legítimas e justas que sejam as reivindicações. Como é o caso. E as greves, diz Carlos Silva «convocam-se, desconvocam-se, suspendem-se e voltam-se a convocar se necessário».

Na avaliação de todo o processo, o dirigente sindical começa por elogiar o acordo alcançado entre FECTRANS e a ANTRAM, que «deu um passo muito importante sobre se vale ou não a pena apostar na negociação e no diálogo social». Isto apesar da FECTRANS ser afeta à CGTP, e a UGT não estar envolvida em nenhum processo negocial sobre camionistas de transportes de matérias perigosas.

Mas, se Carlos Silva elogia a postura da FECTRANS (sindicato integrado numa central sindical diferente), e critica o radicalismo de Pardal Henriques, também não poupa críticas ao porta-voz da ANTRAM, André Matias de Almeida. Para o dirigente da UGT a solução é simples: «Os atuais atores [ sindicato e ANTRAM] têm de sair de cena».

O responsável prefere não se pronunciar sobre a decisão do Governo em decretar a requisição civil, ainda que seja contra a medida, por princípio. Porém, o dirigente não acredita que o PS ou Governo queiram mexer na lei da greve. Mesmo que o quisessem, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, respondeu esta semana, no primeiro dia das suas férias, que o assunto não estava em causa. Ou seja, arrumou a questão.

Arménio Carlos, da CGTP, optou por não fazer declarações ao SOL sobre a turbulência da última semana, remetendo as suas posições para o primeiro comunicado da intersindical sobre a requisição civil. «A pretexto das características da greve em curso no setor de mercadorias perigosas, o Governo deu um novo passo na escalada contra o direito à greve, com o anúncio da requisição civil». Foi desta forma que a CGTP reagiu ao anúncio do Governo de decretar uma requisição civil parcial, logo no primeiro dia de greve dos motoristas de transporte de matérias perigosas e também de mercadorias. A FECTRANS, o sindicato mais representativo do setor, alcançou um acordo para os motoristas esta semana com a ANTRAM, mas não fez greve.

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×