23/8/19
 
 
Transporte de animais vivos. “São pontapeados e içados pelos cornos e pelas patas”

Transporte de animais vivos. “São pontapeados e içados pelos cornos e pelas patas”

Rita Pereira Carvalho 12/07/2019 20:48

O transporte de animais vivos por via marítima tem vindo a crescer ao longo dos anos. As condições a que estão sujeitos os animais que Portugal exporta para Israel, Marrocos e Argélia são miseráveis e há relatos de violência. Nos barcos não há veterinários – a DGAV considera que essa não é uma competência do país que exporta.

Numa época em que o vegetarianismo, o veganismo e tantos outros hábitos pedem uma alimentação longe da carne – seja pela justificação de que não é necessária na alimentação, seja pela defesa dos animais –, vive-se também um momento em que o negócio que nasce a partir da morte dos animais está a aumentar de ano para ano. Só em 2019, já foram transportados 162 381 animais vivos – bovinos e ovinos – para Argélia, Israel e Marrocos, segundo dados fornecidos ao i pela Direção-Geral de Alimentação e Veterinária (DGAV). O ano vai a meio e o número de animais exportados a partir dos portos de Sines e de Setúbal até agora é quase igual ao valor atingido em 2017 – ano em que foram exportados 205 310 animais vivos.

Números à parte, o cenário nos portos de embarque, no decorrer das viagens e na chegada ao país de destino é uma realidade ainda escondida. Esta segunda-feira, no porto de Sines, um animal caiu da rampa de embarque e fugiu “devido ao pânico causado pelo manuseamento incorreto dos bovinos”, alertou Isabel Carmo, da Plataforma Anti-Transporte de Animais Vivos (PATAV). As fotografias (fotografia número 2) falam por si.

O animal caiu de cabeça, fugiu e foi preciso uma hora e 28 minutos para o apanhar. “Amarram uma pata traseira e uma pata dianteira à cabeça do animal para o imobilizar, foram buscar uma escavadora, colocaram o animal na pá na escavadora e ele ficou lá, seguramente, uma hora”, descreve a PATAV. Não se sabe o que aconteceu ao animal e esta, aliás, é uma das questões que a PATAV coloca sistemáticamente, já que se desconhece o futuro do animal - se embarca ou não. Mas os relatos não terminam por aqui. Ao i, Isabel Carmo descreve um cenário de violência nas plataformas de embarque: animais “pontapeados, içados pelos cornos e pelas patas ou puxados pelo rabo”.

No porto de Setúbal, por exemplo, a PATAV descreve duas situações de rampas desniveladas que provocaram a queda dos animais. “Os animais começaram a cair uns por cima dos outros e, depois de caírem no chão, ainda foram pontapeados para entrarem rapidamente no barco”, descreveu Isabel Carmo. A PATAV documenta os embarques feitos em Portugal e trabalha simultaneamente com a Israel Against Live Shipments – movimento que documenta o que se passa na chegada destes animais a Israel.

Além disso, é também utilizado o bastão elétrico para dar choques aos animais. De acordo com a lei, só pode ser dado um choque elétrico ao animal e numa parte especifica do corpo, o que não se verifica nos portos de Setúbal e Sines: “O que nós vimos muitas vezes nos nossos portos são constantes descargas elétricas no mesmo animal e às vezes nota-se que eles estão a fazer aquilo por pura diversão”, diz Isabel Carmo.

O negócio de exportação de animais vivos é relativamente recente em Portugal, mas as condições de transporte não acompanham a linha crescente das exportações. As condições a que os animais são sujeitos, desde o momento que pisam as plataformas de embarque até que chegam à Argélia, Israel ou Marrocos, não têm melhorado. Quem alerta para esta situação é, além da PATAV, a Setúbal Animal Save – Stop Live Exports. Ao i, um dos responsáveis em Portugal pelo ramo da organização internacional The Save Movement, Noel Santos, descreveu situações em que, muitas vezes, os animais ficam doentes ou morrem durante as viagens.

Em Portugal “não existe ninguém que relate o que se passa a bordo destes navios. O que existem são imagens das condições em que eles chegam ao destino, e as imagens atestam as más condições da viagem em si, porque senão os animais não chegariam lá cobertos de excrementos, e muitos deles doentes”, explica Noel Santos. “A nível legislativo, o que se passa nos barcos é como se fosse um buraco negro, ninguém sabe”. O que se sabe é que não existem médicos veterinários a acompanhar os animais durante as viagens. Isabel Carmo explicou que os especialistas em saúde animal estão apenas nos portos de embarque, porque “a DGAV considera que essa não é uma obrigação do Estado de origem dos animais”.

Faça frio, faça calor

“Os navios foram criados para serem estábulos flutuantes, não estão preparados para as condições climatéricas”, alerta um dos responsáveis pela Setúbal Animal Save. Estejam os termómetros a bater nos extremos das temperaturas ou não, o transporte é sempre feito, explica Noel Santos. Além disso, existem ainda relatos de animais que são transportados nos próprios conveses dos navios, sem luz, sem espaço, com muito calor ou com muito frio. “Imagine o que é estar no convés de um navio às escuras, no meio das fezes e da urina”, diz. Mas Noel Santos vai mais longe: “Isto é tudo um negócio que tem o mesmo cheiro que os navios”.

As temperaturas extremas são uma das causas que levam à morte dos animais durante as viagens. Sobre este assunto, a PATAV explicou que na Hungria, na Áustria e na República Checa, o envio de animais para o Médio Oriente “foi suspenso durante os períodos de maior calor por ser impossível assegurar as condições mínimas de bem-estar animal e o cumprimento da legislação”. Por cá, esta medida ainda não é considerada e a PATAV enviou recentemente uma carta a António Costa para que Portugal siga o exemplo destes três países.

Em caso de morte ou mesmo de doença, há animais que são atirados ao mar. Primeiro, levá-los mortos ou doentes é uma carga desnecessária e, depois, esses animais podem contagiar todos os outros – mais prejuízo, portanto. No entanto, tal como alerta a PATAV, é proibido atirar animais ao mar e existem mesmo “trituradoras nos barcos”.

Em Portugal, por exemplo, um ovino deu à costa no Algarve, uma vaca foi encontrada numa praia em Troia e outra em Peniche. Sobre esta última, a Setúbal Animal Save fez perguntas sobre o caso ”e disseram que era bem possível que uma vaca largada na costa alentejana vá parar a Peniche devido às correntes marítimas”.

Quando os animais são atirados para o mar, normalmente, os brincos que os identificam são retirados – isto para não ser possível perceber, à primeira vista, a sua origem. No entanto, “em Israel já deu à costa uma ovelha portuguesa que ainda tinha o brinco”, alerta Noel Santos.

Animais vivos têm um custo menor

Por cá, a exportação dos animais ainda vivos é a primeira opção para vender a carne portuguesa por duas razões. Primeiro, porque é muito mais barato transportar os animais vivos do que mortos – teria de haver câmaras frigoríficas específicas para a conservação da carne, e, logo aí, o custo aumenta. Depois, porque quem compra os animais – países do Médio Oriente – faz questão que estes cheguem vivos para que sejam mortos de acordo com os rituais religiosos de cada um dos países.

Por exemplo, Israel segue o ritual kosher, que consiste em matar o animal de forma rápida para que este sofra o menos possível. Ora, se o objetivo é que o animal não sofra na hora da morte, o tempo de vida não está a ser considerado. Como explica Noel Santos, “os próprios religiosos em Israel já se mostraram contra o transporte dos animais vivos, porque esta forma não pode ser considerada ritual kosher e, por isso, a parte religiosa acaba por servir de desculpa”.

As lutas contra a exportação de animais vivos têm-se multiplicado nos últimos tempos. A Setúbal Animal Save organiza vigílias nas plataformas de embarque, momentos que registam nas redes sociais para mostrar a violência e a origem do negócio. Já a PATAV centra-se em recolher imagens, divulgá-las e fazer perguntas junto do poder político. Na próxima semana, segunda e terça-feira, vai estar no porto de Sines um navio para recolher milhares de bezerros, e a Setúbal Animal Save e a PATAV vão estar lá, mais uma vez, para testemunhar a realidade deste negócio que chega ao prato de uns e ao bolso de outros.

Sobre propostas no papel, a PATAV levou uma petição à Assembleia da República para acabar com o transporte de animais vivos, mas apenas Bloco de Esquerda, o PAN e os Verdes estiveram de acordo com o movimento para acabar com o sofrimento dos animais – a petição foi chumbada.

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×