14/10/19
 
 
Associação de doentes acredita que caso de Matilde pode ajudar outras crianças

Associação de doentes acredita que caso de Matilde pode ajudar outras crianças

Jornal i 03/07/2019 11:30

Nos casos mais graves de atrofia espinhal muscular, a doença de que sofre Matilde, a sobrevivência é de dois, três anos, adianta a dirigente de uma associação de doentes.

A vice-presidente da Associação Portuguesa de Neuromusculares, Ana Isabel Gonçalves, está acompanhar o caso da bebé Matilde e espera que este sirva para acelerar processos semelhantes também para outras crianças.

Como estão a acompanhar o caso de Matilde?

Se a condicionante para a Matilde aceder ao tratamento for o valor angariado, já está. O que gostávamos era que as negociações oficiais tivessem seguimento para que a Matilde e todas as outras crianças, todas as outras Matildes, tivessem acesso à medicação. É preciso lembrar que até há um ano não tínhamos qualquer tipo de medicação. A luz ao fundo do túnel que estes pais viram é a luz que há um ano várias famílias viram com a chegada do Spinraza, ainda que em patamares diferentes.

Até aqui qual era o prognóstico?

Varia muito consoante a forma da doença, mas nos casos mais graves podia ser uma sobrevivência até aos dois, três anos.

É preciso mais apoio nesta área? 

É preciso maior informação para lidar com doenças raras. Temos mais de 300 doenças neuromusculares identificadas. Esta é uma, que foi muito estudada e hoje tem estes medicamentos. É uma lufada de ar fresco, mas há muitas outras para as quais não há resposta e que afetam crianças, jovens, adultos. As pessoas têm de se adaptar a uma vida com as limitações que as doenças lhe traz. Há um desconhecimento gigante sobre o que são as doenças neuromusculares e o fazemos é trabalhar todos os dias, no acompanhamento social, a nível de fisioterapia, terapias ocupacionais, apoio psicológico, visitas domiciliárias, na criação de um projeto de vida.   

Ana Isabel Gonçalves, de 36 anos, sofre de uma forma de atrofia muscular espinhal e é vice-presidente da  Associação Portuguesa de Neuromusculares, que conta com 736 associados.

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×