1/11/20
 
 
Luís Mourão (1960-2019). Isto dito, continuar

Luís Mourão (1960-2019). Isto dito, continuar

Rui Manuel Amaral 10/06/2019 16:34

O Luís Mourão amava apaixonadamente os seus autores: Raúl Brandão, Carlos de Oliveira, Agustina Bessa-Luís, Augusto Abelaira, Maria Velho da Costa e, acima de tudo, Vergílio Ferreira. Ele acrescentava facilmente uns centímetros à estatura de cada um. 

Quando nos damos conta, é sempre demasiado tarde. Adiamos a carta, a mensagem, o telefonema, o encontro, hoje, amanhã, depois de amanhã, uma e outra vez. Por pudor, por incúria, por preguiça, por pura cobardia. Há mil razões para adiar um encontro e todas estão erradas. Não há desculpa. E, no entanto, deixamos o tempo construir a sua diabólica obra. A negra e lenta teia. E assobiamos para o lado, ou melhor, para dentro. Eu devia ter ligado ao Luís Mourão. Devia ter escrito. Devia ter ido ao seu encontro. Agora é demasiado tarde. Restam as palavras e os livros, e é tão pouco. Resta-me a memória de alguns encontros, tão poucos, mas sempre inesquecíveis, a pretexto dos livros.

Era um prazer ouvir o Luís Mourão falar dos livros e dos autores que lhe interessavam. Como os grandes mestres, tinha desenvolvido uma espécie de exercício de encantamento para seduzir o auditório. Do fundo de um bolso, retirava a chave e apresentava-a com prazer ao público. Depois, com um gesto largo e lento abria o texto, e o milagre desenrolava-se diante dos nossos olhos, como se assistíssemos a um filme. O momento raro em que a literatura se solta das páginas e ganha cor e música, osso e músculo. E é tudo ficção. Quer dizer, é tudo verdade.

O Luís amava apaixonadamente os seus autores: Raúl Brandão, Carlos de Oliveira, Agustina Bessa-Luís, Augusto Abelaira, Maria Velho da Costa e, acima de tudo, Vergílio Ferreira. O Luís Mourão acrescentava facilmente uns centímetros à estatura de cada um. E não era apenas uma questão de generosidade. Tratava-se antes de verdadeira paixão. A paixão verdadeira e grega, de que falava o Herberto, e que, no caso do Luís, exigia ser partilhada.

Escreveu livros a duas, três, quatro mãos, apresentou autores a editores e editores a autores, participou em revistas, apoiou causas, organizou encontros, concebeu teses e orientou outras, e manteve o blogue «Manchas» (http://blogmanchas.blogspot.com/), entre 2006 e 2013, onde publicou centenas de pequenas notas sobre literatura, cinema, música, breves iluminações sobre aspectos do quotidiano, e aforismos, alguns dos mais belos que se podem ler na blogosfera.

Ler Mais

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×