14/10/19
 
 
Guia para sobreviver à onda de calor

Guia para sobreviver à onda de calor

Beatriz Dias Coelho 01/06/2019 14:10

As ondas de calor, enquanto fenómeno extremo, podem afetar não só as pessoas mais vulneráveis, mas todas. São vários os efeitos que pode ter na saúde, mas o corpo tem um mecanismo especial para lidar com as temperaturas altas, explica o especialista Gustavo Borges, mas há cuidados a ter.

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) define onda de calor como um período “de pelo menos seis dias consecutivos” no qual “a temperatura máxima diária é superior em 5ºC ao valor médio no período de referência”. Mais do que uma definição, o fenómeno tem diversas implicações na saúde, e a Direção-Geral de Saúde (DGS) classifica-o mesmo como “uma agressão para o organismo”.

Ao i, o vice-presidente da Associação Nacional dos Médicos de Saúde de Pública (ANMSPM), Gustavo Borges, explica que ao contrário de outros fenómenos que acabam por afetar as camadas mais vulneráveis da população – como crianças e idosos – as ondas de calor “apanham todos, não só os mais vulneráveis ou menos saudáveis”. Contudo, “quem não é saudável tem maior risco e mais facilidade de reagir mal, enquanto que as pessoas que são saudáveis, à partida, estarão mais protegidas”, precisa o especialista.

Gustavo Borges assinala, por exemplo, que os trabalhadores da construção civil estão especialmente vulneráveis por trabalharem frequentemente ao sol. Vulneráveis estão também os aficionados do exercício, aos quais o médico de saúde pública deixa um alerta: “Desaconselha-se o exercício físico com calor elevado. Deve ser restringido ao ar livre, porque o exercício físico intenso potencia os efeitos nocivos do calor, como golpes de calor”, avisa Gustavo Borges, especificando que o período de maior calor é entre as 11h30 e as 16h30. “Claro que isto aplica-se ao cidadão normal, não por exemplo a um desportista, que está habituado a determinado tipo de esforço”, nota.

 

Como reage o corpo às altas temperaturas?

Não há dúvida de que o corpo humano tem uma adaptabilidade elevada, e isso também é visível nas alturas em que o mercúrio do termómetro sobe. Quando isso acontece, o organismo aciona um mecanismo designado como termorregulação, cujo objetivo é regular a temperatura do corpo perante variações de temperatura consideráveis no exterior. “Nós somos uma fonte de calor, os nossos órgãos emitem calor. E portanto, o organismo desvia o sangue para as áreas de maior contacto com o ar, para poder dissipar o calor. Essas áreas são as zonas periféricas, o fluxo de sangue segue para essa zona e arrefece através da pele. Associado, dá-se a produção de suor, que ao passar pela pele acaba por arrefecê-la, permitindo uma melhor recuperação térmica”, explica ao i Gustavo Borges.

Se se pergunta porque é que temos menos fome quando está calor, a resposta está aqui: “Não sentimos tanta vontade de comer porque o nosso sangue está desviado para a pele, não está tanto nos nossos órgãos nem em específico no nosso estômago”, elucida o especialista de Saúde Pública.

Por fim, e porque a onda de calor vai continuar pelo fim de semana, importa relembrar os cuidados a ter. De acordo com o vice-presidente da ANMSPM é fundamental “ingerir líquidos sem álcool e sem açúcar – idealmente água, ainda que se possa beber alguns sumos naturais e que não sejam de pacote –, fugir da exposição solar e colocar um protetor solar com fator elevado para evitar as radiações ultravioletas”. O especialista recomenda ainda o uso de um chapéu de abas largas e de óculos de sol, também para proteger da radiação ultravioleta, e aconselha, sempre que possível, à permanência em locais climatizados – “como supermercados ou centros comerciais” –, durante pelo menos duas a três horas. “Quem não pode fazê-lo, beba muita água, refresque a casa com ventoinhas e é importante estar acompanhado para controlar os efeitos nocivos que o calor pode ter no corpo”, conclui Gustavo Borges.

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×