24/5/19
 
 
Portugal perde a final, mas o rapaz do futuro continua a sua missão

Portugal perde a final, mas o rapaz do futuro continua a sua missão

Diogo Vaz Pinto 16/05/2019 16:29

Conan Osíris teve uma boa prestação na noite de terça e fez vibrar a audiência na Expo Telavive, mas, como tinham previsto as casas de apostas, não irá ouvir-se “Telemóveis” na final. Ainda assim, há quem acredite que Conan arrancou uma vitória moral.

Não bastou uma atuação desta vez irrepreensível, exaltada de fantasia e de despeito, para que Conan Osíris convencesse o voto do público ou do júri do festival Eurovisão da Canção 2019. Portugal falha assim o acesso à final, ficando entre as sete canções eliminadas na noite de terça-feira. E não se pode dizer que o tema português se tenha perdido na tradução. Foi animadora a reação do público na arena da Expo Tel Aviv, que pareceu ceder ao feitiço do músico português de 30 anos. Mas, no fim, o resultado confirmou a previsão das casas de apostas. “Telemóveis” ficou pelo caminho, sendo que dos 17 temas em competição na semifinal 10 prosseguirem, e serão interpretados no sábado, em Israel.

Na competição estavam 41 países, sendo que na final atuam 26. Os países apurados na noite de terça foram a Grécia, a Bielorrússia, a Sérvia, Chipre, a Estónia, a República Checa, a Austrália, a Islândia, São Marino e a Eslovénia. Portugal vê-se pela 9.ª vez afastado da fase final do festival, mas Conan Osíris não se mostrou especialmente abatido com o adeus à Eurovisão. Já se sabe que o rapaz é mais dado a bolos do que ao champanhe, e na conta de Instagram do Festival RTP da Canção, na única reação pública que até agora se conhece, disse aos fãs: “Está tudo bem”.

Se Tiago Miranda - o verdadeiro nome de Conan Osíris - não segurou uma posição na final, segundo o jornalista da Blitz, Mário Rui Vieira, não deixou de aproveitar a viagem a Israel para fazer das suas.  Conta Rui Vieira que, há uns meses, numa conversa informal com o músico, este lhe disse que “estava a ‘estudar’ o conflito israelo-palestiniano e a decidir o que poderia fazer, nas entrelinhas, para chamar à atenção para o problema sem violar as regras hipócritas (palavra minha) da Eurovisão”. Assim, o jornalista chama a atenção para uma combinação de cores na forma como Conan e o seu bailarino, João Reis Moreira, se apresentaram em palco em Tel Aviv. A tese, que não parece assim tão rebuscada, é que o representante português aproveitou a visita de estudo e usou a sua prestação em palco para marcar uma posição, envergando as cores da bandeira da Palestina (vermelho, negro, branco e verde). Roger Waters tinha-lhe dirigido um pedido expresso para que boicotasse a Eurovisão, uma penalidade para a sistemática agressão do Estado de Israel ao povo palestiniano. O hipotético protesto tem permitido ver a indumentária de Conan como um colete de explosivos de efeito retardado. A atuação foi, de resto, marcada por uma expressão mais dura, de rosto fechado, com a voz encostando-se aos graves. “Telemóveis” prestou-se assim a outras interpretações, com os versos “partir o telemóvel/ a tentar ligar para o céu”, a assumirem outro peso, a frustração diante de uma impotência de natureza bem mais séria.

Independentemente daquilo que se possa pensar do fenómeno Conan Osíris, o facto é que Tiago Miranda tem sabido levar o público a buscar um significado nos detalhes, a estar atento para as subtilezas. Gostando-se ou não das canções, o que se lhe reconhece é a dimensão do estômago. Conan é um inexcedível cacófago, capaz de fazer um bolo de contrastes, numa dança entre a harmonia e o caos, entre um ritual de acasalamento tribal e uma prestação sumamente artificiosa. Assim, esta pop atraganada, não está, ao contrário do que se tem dito a meio caminho “entre o fado, a música cigana e a eletrónica ‘chunga’”. Não é um meio caminho mas uma tentação de desfigurar, descoser a bainha dos géneros, uma estética que parece apontar para o estupro sensorial. E isto está em linha com o desmoronar da sensibilidade num tempo em que o constante assédio impede a audiência de estar presente, disponível, livre, plenamente atenta. O próprio nome artístico escolhido por Tiago Miranda, e que se inspira na série pós-apocalítica “Conan, o Rapaz do Futuro”, de Hayao Miyazaki, e no deus da mitologia egípcia que, tendo começado por estar ligado às forças da terra e das plantas, dada a sua popularidade - e à medida que o culto à sua volta foi crescendo, abrangendo todo o território do Egipto -, foi suplantando os outros deuses e enriquecendo-se dos seus atributos. Uma vez mais, apreciando ou não a música, quer se tenha paixão, apenas curiosidade ou mesmo um desdém incontido pelo fenómeno, não há como negar que este artistas se tem sabido valer das ferramentas da pop para confrontar o inane messianismo da época.

Falar da noite de terça-feira como um fracasso é supor que a inoculação do vírus poderia dar-se nas condições mais adversas. Afinal, Conan não é um performer que busque encantar mas sim sacudir, recorrendo para isso a todo o tipo de artifícios. É uma espécie de Frankestein lírico. Pode até argumentar-se que é maior a incompreensão daqueles que aderem apaixonadamente à proposta deste artista do que aqueles que a rechaçam energicamente. E isto porque as novidades que nos traz o rapaz do futuro não têm já a ver com uma combinação de diversas tradições com vista a afirmar um estilo pessoal, muitíssimo extravagante, pois não seria assim tão interessante ver surgir outra divindade no território da pop. O que há de original neste artista é a forma como se aplica em romper com a harmonia, profanar os mitos, elaborar temas que parecem cantar uma civilização que vive dos restos desta, um amanhã que tenha de se olhar através do espelho quebrado do dia de hoje. 

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×