24/8/19
 
 
Professora que drogou e matou o marido diz que era vítima de violência doméstica e abusos sexuais

Professora que drogou e matou o marido diz que era vítima de violência doméstica e abusos sexuais

DR Jornal i 15/05/2019 15:52

Mulher diz que o marido a queria ver a fazer sexo "com outras pessoas, incluindo travestis" e que a forçou a ter relações sexuais

Margarida Rolo, a professora que é acusada de ter matado o marido, em 2018, em Abrantes, com 79 facadas e setes golpes de martelo, afirmou ao Tribunal de Santarém que agiu em legítima defesa e que era vítima de violência doméstica.

Segundo a agência Lusa, a professora, que assumiu a culpa do crime, confessou arrependimento. No entanto, não consegue explicar a frieza e a extrema violência com que agiu. A mulher alega que perdeu a noção do que estava a fazer e garante que nunca pensou matar o marido.

Recorde-se que, de acordo com a acusação do Ministério Público, no dia 16 de agosto de 2018, a suspeita conseguiu que o marido ingerisse, à hora de jantar, alguns medicamentos que lhe viriam a provocar sonolência. A mulher, que começou por combinar um café com uma amiga, saiu depois de casa e levou os filhos para o encontro. Já no carro, Margarida Rolo deu a desculpa de que precisava regressar a casa para ir à casa de banho. Enquanto o marido, José Duarte, dormia num sofá no alpendre do jardim, a mulher começou a desferir golpes na cabeça do mesmo com um martelo.

Em Tribunal, Margarida Rolo não conseguiu explicar por que razão José Duarte tinha vestígios de alprazolam (ansiolítico) e mirtazapina (antidepressivo) no sangue.

Questionada acerca do facto de ter dito aos vizinhos e , posteriormente, à PSP, que tinham sido assaltados, a arguida reconheceu que mentiu para que não pensassem que tinha sido ela.

Já sobre o facto de ter cometido o crime enquanto os filhos estavam à porta de casa, no carro, Margarida Rolo diz que teve “tanto medo” que não raciocinou.

A arguida referiu ainda que era constantemente ameaçada pelo marido e que, na noite do crime, o marido lhe havia dito para ir ao parque e surgir “viçosa”, refere a agência Lusa. Assim, a mulher alega que associou as palavras de José Duarte à ameaça de que a queria ver a fazer sexo "com outras pessoas, incluindo travestis".

A defesa de Margarida Rolo procurou ainda, no seu interrogatório, demonstrar a ocorrência de violência doméstica através de relatórios médicos. Alguns dos documentos datam de 2012, altura em que a arguida começou a ser seguida em gastrenterologia devido a uma fissura no ânus – algo que a arguida defende ter sido causado pelo facto de ter sido forçada a fazer sexo anal.

Outros relatórios são de 2016 e de 2017, e dão contam de uma fratura no joelho, um deslocamento num pé, ansiedade e instabilidade emocional. A professora alega ter sido violada na noite do último relatório.

Sobre a possibilidade de divórcio, a mulher alega que nunca a colocou por “medo”.

Recorde-se que Margarida e José estiveram casados 14 anos. Os filhos, ambos menores, continuam a viver na mesma casa e estão ao cuidado dos avós.

 

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×