18/8/19
 
 
Estoril Open. David Goffin recebe o último wild card

Estoril Open. David Goffin recebe o último wild card

Facebook David Goffin Bruno Venâncio 25/04/2019 19:53

O antigo top-10 mundial passa a ser o quarto cabeça-de-série da prova que se inicia este sábado

Já é conhecido o último contemplado com um wild card para o quadro principal do Estoril Open, que se inicia este sábado e irá decorrer até dia 5 de maio. Trata-se do belga David Goffin, antigo número sete mundial (hoje 22.º), que se estreará no torneio - já havia participado anteriormente no Portugal Open.

 

 

O tenista de 28 anos será o quarto cabeça-de-série, atrás de Stefanos Tsitsipas, Fabio Fognini e Gael Monfils. Os dois wild cards anteriores, recorde-se, tinham sido entregues a Pedro Sousa, número dois nacional, e a Pablo Carreño-Busta, o espanhol que venceu a edição de 2017. “Estou muito contente por receber um wild card em cima da hora. Agradeço ao diretor do torneio e à sua equipa pelo convite. Será uma bela oportunidade que me permite jogar na próxima semana e estou muito entusiasmado por conhecer o novo evento que se realiza no Estoril. O meu treinador falou-me muito bem da zona de Cascais e espero corresponder com um desempenho de alto nível”, afirmou David Goffin, em mensagem enviada à organização.

“Tínhamos vários pedidos em carteira, incluindo jogadores do top-10, mas que estavam dependentes da evolução da condição física de uns e da participação de outros em torneios do circuito que estão a decorrer esta semana. Optámos pelo David Goffin, um tenista de reconhecida qualidade que vem reforçar o nosso lote de cabeças-de-série e a competitividade global do elenco. Para mais, o seu treinador Thomas Johansson, antigo campeão do Open da Austrália, é alguém que nos é próximo e que conhece bem a zona de Cascais, tendo feito muita força para que o seu pupilo competisse no Millennium Estoril Open”, explicou o diretor do torneio, João Zilhão.

Já os dois wild cards para a fase de qualificação foram entregues a tenistas portugueses: João Domingues (214.º mundial) e Gastão Elias (307.º). "Foi uma escolha óbvia. O João Domingues está em forma e vem de alinhar quartos-de-final e final em dois Challengers com um quadro de 64 elementos; o Gastão Elias já foi jogador do top 60 mundial, tem sido um esteio da seleção portuguesa na Taça Davis e poderá aproveitar o apoio do público português para ganhar confiança e regressar ao seu melhor ténis”, realçou João Zilhão.

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×