22/5/19
 
 
Costa não ficou incomodado porque conhece lei da propaganda

Costa não ficou incomodado porque conhece lei da propaganda

Bruno Gonçalves Cristina Rita 15/03/2019 16:12

Primeiro-ministro garante que nunca fez “qualquer confusão sobre o que é publicidade institucional”.
PS quer mudar lei e pode contar com o aval do PSD

As posições da Comissão Nacional de Eleições (CNE) sobre a proibição de publicidade institucional  em período de pré-campanha abriram a porta a alterações na legislação, mas o primeiro-ministro garantiu ontem que “não se sentiu incomodado”.  À margem de uma visita ao Hospital de São José, António Costa assegurou que a CNE  “nada falou” sobre os limites de inaugurações do governo.

“Não, nunca me senti mal, porque nunca fiz qualquer confusão sobre o que é publicidade institucional. Quem conheça a lei, sabe que a CNE nada falou que tivesse a ver com inaugurações”, afirmou António Costa, citado pela Lusa. A pergunta impunha-se porque o primeiro-ministro tem tido agenda pública, todos os dias, dedicada ao Serviço Nacional de Saúde, com inaugurações de centros de saúde ou visitas a hospitais. O alcance da lei sobre as restrições a inaugurações em pré-campanha, levou a Associação Nacional de Municípios Portugueses a fazer um protesto contra a CNE junto da Assembleia da República.

 Na resposta, o PS reiterou ontem que vai  avançar com a clarificação da lei sobre a publicidade institucional .

O objetivo dos socialistas é delimitar o período de proibição de propaganda eleitoral à fase de campanha eleitoral.

 Na atual versão, as restrições aplicam-se mal a data das eleições é publicada em Diário da República. No caso das eleições europeias, que se realizam a 26 de maio, o decreto presidencial foi publicado no dia 26 de fevereiro e a Comissão Nacional Eleições emitiu uma primeira nota no site oficial a 6 de março, a explicitar as proibições de publicidade institucional em período de pré-campanha.

Ontem, o presidente do grupo parlamentar do PS, Carlos César, insistiu que os socialistas pretendem explicitar ainda na lei que as restrições só se aplicam aos órgãos de soberania que vão a votos. Assim, as autarquias ficam libertas de qualquer restrição em 2019, porque não existe nenhuma eleição marcada.

Os socialistas querem ainda definir a “natureza da informação e das mensagens que estarão em causa”, conforme explicou Carlos César aos jornalistas, no final da reunião da bancada socialista.

O objetivo é “procurar um impulso interpretativo” já que, para Carlos César, a CNE “pareceu um bocadinho baralhada”. Em causa está o alcance da legislação e uma segunda nota, de 13 de março, em que a CNE sentiu necessidade de explicar que tanto o executivo como as câmaras poderiam fazer inaugurações, depois de uma primeira versão que indignou os autarcas e levou à entrega de pedidos de esclarecimento sobre a atuação do governo socialista.

O próprio PSD, pela voz do seu líder parlamentar, Fernando Negrão, considerou também que “logo no início [a CNE] devia ter tido uma posição muito mais clara”. Assim, o PSD também se mostrou disponível para alterar a lei. “Tudo o que seja esclarecer o espírito da lei é positivo”, declarou Negrão, citado pela TSF.  O PSD não apresentou qualquer queixa contra o executivo socialista porque quis deixar “desenrolar o processo”.

A bancada do PSD deixou, contudo, a ideia no ar de que a  CNE agiu sob pressão.  Para Negrão, a CNE “fez um aclaramento daquilo que era sua posição precisamente porque terá sido pressionada pela comunicação social e por agentes que estão envolvidos neste processo”.

Contactado pelo i, fonte oficial da CNE não quis reagir aos comentários tanto do líder parlamentar do PS, como do PSD.

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×