19/8/19
 
 
“Esmifram-se para prender Rui Pinto, deixam à solta Ricardo Salgado”

“Esmifram-se para prender Rui Pinto, deixam à solta Ricardo Salgado”

Raquel Wise Jornal i 06/03/2019 11:03

Ana Gomes critica empenho das autoridades portuguesas no caso de Rui Pinto e inércia noutros processos

A eurodeputada Ana Gomes voltou a referir-se ao caso de Rui Pinto, o alegado hacker que terá acedido e divulgado informação confidencial de clubes de futebol.

"Pois, pois! Autoridades portuguesas esmifram-se para prender 'perigoso' whistleblower @RuiPinto FL, q denuncia corruptos. Mas deixam tranquilitos e à solta criminosos e corruptores do gabarito de Ricardo Salgado e capangas!...", escreveu Ana Gomes, esta terça-feira, no Twitter.

Pois, pois! Autoridades portuguesas esmifram-se para prender “perigoso” whistleblower @RuiPinto_FL, q denuncia corruptos. Mas deixam tranquilitos e à solta criminosos e corruptores do gabarito de Ricardo Salgado e capangas!... https://t.co/QEOEc9iBo4

— Ana Gomes, MEP (@AnaGomesMEP) March 5, 2019

Pouco depois, publicou outro post sobre o mesmo tema: "E fazem-no com tanto ardor que até dispensam a mais elementar competência... quem foi o 'artista' q emitiu o Mandado de Detenção Europeu sem ter Mandado de Detenção Nacional???? Como se explica tão grosseiro erro????", questionou a eurodeputada.

E fazem-no com tanto ardor que até dispensam a mais elementar competência... quem foi o “artista” q emitiu o Mandado de Detenção Europeu sem ter Mandado de Detenção Nacional???? Como se explica tão grosseiro erro???? https://t.co/4pAId2tdrR

— Ana Gomes, MEP (@AnaGomesMEP) March 5, 2019

Esta não foi a primeira vez que Ana Gomes se pronunciou sobre o caso de Rui Pinto, nem que usou um tom crítico para o fazer. Na altura em que o alegado hacker foi detido em Budapeste, em janeiro, a eurodeputada deixou a questão: "Pirata ou "whistleblower?”. Para Ana Gomes, Rui Pinto “expôs corrupção bem entrincheirada”, escreveu ainda na altura.

Recorde-se que o hacker ficou a saber ontem que seria extraditado para Portugal, sendo que os seus apelos para que isso não acontecesse - chegou a dizer que se tratava de “uma questão de vida ou de morte” – não impediram o Tribunal Metropolitano de Budapeste de ordenar o regresso ao seu país.

Logo após a decisão ter sido reconhecida, Rui Pinto fez saber que iria recorrer, sendo que a avaliação deste pedido poderá demorar entre uma e três semanas, período em que continuará na capital húngara.

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×