16/9/19
 
 
Fotojornalista premiado é libertado de prisão egípcia

Fotojornalista premiado é libertado de prisão egípcia

AFP / Khaled Desouki João Campos Rodrigues 04/03/2019 16:30

O jornalista conhecido como Shawkan, foi libertado após mais de cinco anos de cativeiro. Foi uma das 739 pessoas condenadas pelos protestos contra o golpe militar que colocou no poder o presidente al-Sissi

Mahmoud Abu Zeid, conhecido pelo seu nome profissional, Shawkan, foi liberdado esta segunda-feira, após mais de cinco anos de cativeiro, tendo sido detido quando cobria os protestos contra o golpe militar que derrubou o então presidente egípcio, Mohamed Morsi, colocando no poder Abdul Fattah al-Sissi, o atual presidente. O jornalista postou uma foto sua no Twitter, com o hashtag "olá asfalto", utilizado pelos presos políticos egípcios quando libertados.

Shawkan cobria os protestos protestos quando estes se tornaram um banho de sangue, com centenas de manifestantes mortos, e 739 pessoas presas, incluindo o reputado jornalista, sendo a maioria acusadas de vandalismo e de homícido de agentes da polícia. 75 dos presos foram condenados à morte em setembro, tendo Shawkan sido condenado a 5 anos de prisão, contando com o tempo que esteve detido.

O jornalista enfrentou a acusação de "homicídio e pertença a organização terrorista", que pode levar a uma pena de morte. A sua prisão despoletou uma grande condenação internacional, da parte de grupos de direitos humanos. A Amnistia Internacional garante que Shawkan foi preso "simplesmente por fazer o seu trabalho como fotojornalista e documentar a brutalidade policial que teve lugar nesse dia". 

 

 

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×